terça-feira, 28 de dezembro de 2010

5 #em2010eu ...

Em 2010 eu conheci pessoas. Essa afirmacão que pode parecer tão bobinha,é cheia de significados pra mim. Em 2010 eu conheci pessoas que me fizeram conhecer a mim mesma.
Em 2010,deixei que gente que me tem perto a muito tempo realmente me conhecesse. Me tocasse. Me desvendasse, como um livro de páginas grudadas, que devem ser descoladas com cuidado. Sofri. Chorei quando vi em gente onde eu via somente beleza me mostrou crueldade e indiferenca. Chorei, mas não deixei de amá-las por isso. Aprendi que o amor de verdade precisa é de compreensão. Aprendi que meus amores não precisam me amar do mesmo jeito que os amo, basta que me amem do jeito que podem. Em 2010 aprendi que não sou obrigada a aceitar todos os convites,e nem dizer sim a todos os que querem invadir minha vida. Em 2010 eu ri com felicidade líquida,dormi graças a felicidade sintética e conquistei pessoas com minha felicidade natural. Me apaixonei, desapeguei, dividi, reencontrei. Me despedi de gente legal, que agora mora longe. Me despedi de gente que não mora longe,mas não vale a pena ter por perto. Abracei a minha própria dor,abracei causas que valiam a pena (e as causas perdidas também). Em 2010,descobri que não sou louca por viver desse jeito, eu sou é apaixonada pela vida. Gravei na pele essa paixão. Gravei nas telas,outras. Dormi nua sem permitir que me censurassem. Acordei mais cedo. Fiz pequeniques. Andei descalço. Tomei banho de mangueira,e meu Deus,pra que as pessoas tem piscina? Em 2010, fiz música.poesia,stand up,teatro,cinema. Escrevi. Escrevi... Li menos do que gostaria. Não tive tempo porque estava lendo as pessoas e me reescrevendo. Trabalhei mais do que aguentariam muitos por ai. Vivi. Em 2010 eu conheci pessoas e tb fui apresentada a uma garota incrível: Eu mesma.
Em 2010 eu aprendi que generosidade e gratidão são como chocolate e coca-cola, absurdamente deliciosas, não me enjoam nunca e por mais que eu tente resistir, acabo sendo devorada por eles.
Ah, obrigada 2010, por ter acontecido na minha vida.
E Senhor 2011, trate já de tentar superar o anterior!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

3 Partiu...





Tchau! Não um adeus, apenas um Tchau.
Com sorriso nos lábios e o coração em prantos. Dou tchau. Para que ele sinta. Para que viva. Para que assista a vida no palco e não na platéia.
Ele vai sorrindo, feliz. Abana, faz gestos. Desenha um coração na vidraça. E vai.
Parte. Viaja. Lança seu pequeno corpo na aventura que não cabia nem em sua imaginação.
Parte. E me parte! Metade vai com ele, e sem que eu colocasse em sua mala, leva consigo o que em mim há de melhor.
Parte fingindo que chora e eu fico fingindo que não.
No retorno, pegarei de volta o que é meu pra voltar a ser.
Porque se ele não está, eu não sou.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

7 ENCERRANDO #DeiseDuarteWeek



Não existem palavras pra explicar.

O afeto que vem gratuitamente, o amor que se sente sem que precisem falar, mas é tão bom ouvir, então porque não entregar-me a vaidade que é escutar?
Indescritível a emoção de vê-los escrevendo cartões, declarações. Bonito é ver quem não costuma me dizer nada de bonito, dizendo só porque é o meu aniversário.
Bonito é vê-los admirar os talheres que embrulhei com amor para vocês. Bonito é vê-los cantando Parabéns pra mim, daquele jeito que só as crianças fazem.
Bonito é tomar banho de mangueira, com as crianças e como crianças. Pular, fazer uma roda e ficar embriagado de emoção, energia, alegria... Bonito é chorar abraçada com uma amiga enquanto trocam elogios mais honestos e transparentes do que a água lançada sobre os cabelos bagunçados.
Bonito é receber uma ligação a meia noite e pouquinha, de alguém que mora longe e te vale a vida. Bonito é ver tua mãe com olhos orgulhosos da garotinha que você é. Bonito é ler do homem lindo que é seu pai: “Se Deus não tivesse te criado, eu teria te inventado”. Bonito é seu marido dizendo que quer proclamar pelo resto da vida o quanto te ama.
Bonito é abrir presentes de gente que quis agradá-la. Bonito é ser chamada de Margarida, por que afinal, qual é mesmo a tradução literal de meu nome?
Bonito é a sua sobrinha de nove anos, dizer que Vai amar você pra vida inteira, porque você é bonita.
Bonito é aquele seu amigo, que quanto mais você conhece, mais admira te aparecer com muito chocolate quando você precisa emagrecer uns 20 kg.
Bonito é ter uma semana inteira de pessoas que chamam seu nome, e dizem coisas bonitas sobre quem você é. E o mais bonito é que você acredita nessas pessoas, porque as escolheu principalmente pela honestidade que possuem.
Eu poderia dizer mil coisas sobre a DeiseDuarteWeek, mas nada seria mais bonito do que eu já disse a cada um que fez parte desses dias tão mágicos que pareciam tirados de algum filme doce e encantador, daqueles filmes que os homens não gostam de assistir, mas que te deixam com cara de “Oin, que vida linda essa garota tem.” Então, a garota sou eu, a vida é minha e se no final, a garota pegar um carro e partir pro Alabama com os escolhidos, eu terei que comprar uma Topic, encher de cerveja boa e me deixar levar pelo amor que eu sinto que vocês tem por mim.

Felicidade, DEFINE!


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

6 Desce mais uma rodada... Desce mais....




25!
E os mesmos medos de quando tinha 6
A mesma vontade de acreditar na vida, nos outros, nos planos, nos sonhos.
25, e os mesmos amigos dos 19.
O mesmo medo de dormir com lâmpadas apagadas. O mesmo pânico de cruzar com um fantasma. O mesmo desejo de encontrar um jeito de dominar o mundo.
25 e a mesma ideia fixa de escrever, escrever e escrever. Escrever pra não chorar, escrever pra não brigar, escrever pra não esquecer. Escrever para Viver!
25 e a certeza de morrer feliz, de um modo triste.
Os mesmos desejos dos 18, a mesma coragem dos 20, a mesma incerteza dos 12.
25 e a mesma vontade de ontem, de antes de ontem, da vida inteira: Viver.
Talvez todos pensem que é só mais um 28, mas não, não pra mim! Pra mim é o meu 28. O vinte e oito do onze. O vinte e oito do meu mês.
E esse ano, o 28 dos meus 25.
Sem medo, sem pressa, sem dor.
25 e a vida diferente, pero no mucho.
25 e o que realmente me faz bem, ali, igualzinho, de um jeitinho que eu sei que é bom ficar.
E se eu fizer mais 25, que sejam iguais aos que tenho tido.

P.S: Renew é o caralho!


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

3 Eu me lembro muito bem...

...Como se fosse amanhã: Minha mãe dizendo pra mim, enquanto eu chorava copiosamente, tentando saber porque me faziam aquilo: "Não foi por mal minha menina, não te fizeram isso por mal."
Já fazem muitos e muitos anos, mas até hoje, ainda acredito, que não foi por mal. Não foi por nada, não foi por acaso.

Minha mãe não secou minhas lágrimas quando eu descobri que existia maldade...

terça-feira, 2 de novembro de 2010

4 Sendo...

              Os Cabelos estão em desalinho e sai de casa sem maquiagem. Visto a blusa que deforma as formas, bebo e falo palavrões, não como se fosse um homem, mas como uma mulher que não está jogando charme. Uma mulher disposta a entender, esquecer, lembrar e viver.
Devoro os pães, a carne e a bebida. Sinto o gosto. Ouço as risadas barulhentas. Dou meus gritos histéricos de euforia, incompreensão, felicidade, estranheza...
Como brigadeiro direto do prato, e as calorias não me importam. Estou vestindo a blusa de um amigo, escondida na pele do meu amado, o que mais pode importar?
Pipoca com nescau! Sim, isso me importa.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

3 Todos os dias...

...eu penso no tempo. Eu já não sei mais o que fazer com ele. A velocidade que passa, me faz pensar se estou dedicando-me ao que realmente importa, ou se estou desperdiçando a tão amada vida em lugares onde não devo estar.
Medo de que as coisas se vão, e eu, não esteja pra ver.
Quais as fatias são realmente prazerosas e quais devem ser comidas com pressa e vomitadas mais depressa ainda?
Quem realmente vale o empenho, o amor e o carinho que se pode dedicar? Quem se importa se você chorar, calar, morrer?
Eu penso... Mudo, redescubro, reinvento.
Não quero ter Agenda lotada e Vida vazia.
Quero rosas e lágrimas honestas. Quero o dedilhar do violão. Quero o apelido exclusivo. A cantada perfeita. A frase profunda. A fase tranquila.
Eu quero a cerveja gelada. A sopa quente. O bolo previamente fatiado.
Quero a paz da noite de sono. A agitação da manhã pré viagem. Quero um lençol perfumado jogado no chão. Uma roupa suada grudada na pele.
Quero vida.
Quero que a piada seja boa. O sorriso inevitável.
Quero a agenda lotada, a vida corrida e plena. Repleta de gente que escolho, que me escolhe. Sem explicação, sem entendimento, com sentimento.
Até o fim!

(Caminhando na rua inspiração. Alguém corrige o texto, manda pro meu e-mail que depois eu re-posto. Mais vale escrever do jeito errado a coisa certa, do que certo a coisa errada. Pior é não escrever coisa nenhuma!)

terça-feira, 21 de setembro de 2010

2 Muda #not

Fazia barulho o tempo todo: seus sapatos sempre tocavam o chão com estalidos, espancava os teclados para escrever, falava ininterruptamente, comia e bebia com ruídos e quase nunca se importava com seus sons.
Seu tom era vibrante, quase nunca em nude, muito raro em cinza.
Seus barulhos irritavam. Quase sempre a ela mesma.
Gritava dentro de si: “Me façam calar! Me façam calar!”
Mas eram tantos os barulhos que ela fazia, que ninguém ouvia, ninguém seria capaz de escutar.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

5 Caminhada matinal, o retorno

Grandes questões da humanidade às 9 da manhã:

Quando um homem buzina pra você ele tem orgasmo?
Jingle de político tem mensagem subliminar? Por que é impossível esquecer o "Boeiraaaa, Boeiraaaa, eu voto em Boeiraaa"?
Quando alguém grita "Seus corno é shows" ou "Ooooh Barbaridade!"é elogio?

Tô tentando ser engraçadinha, então podem deixar um comentário do tipo "hauhauhauahua".
Obrigada.
Beijo Mãe!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

5 Pequeno Príncipe

     Há algum tempo, escrevi pra ele e guardei. Guardei porque esperava o momento oportuno. Talvez, agora seja...

Enquanto arrasta sua coberta de pelo pela casa, os meus pelos arrepiam de paixão.
Ora me apaixono por seu sorriso com covinhas e o queixo desenhado, cortado e furado propositalmente para eu não resistir.Ora são suas tiradas oportunas e engraçadas que me fazem refletir: Como passa depressa!
Passam depressa os anos e eu aqui. Vendo-os crescer sem poder me intrometer. Vontade de gritar: Fique parado tempo maldito! Deixe eu me deitar no chão e cheirar também o cobertor de pelo! Fique parado! Me deixe olhar esses olhos de amêndoa até adormecer.
Eu grito com ele, já que o tempo é fortaleza surda. Grito para que não suba, não corra,não grite, não coloque os dedos nas tomadas. Grito para que ele lave a boca, Coma o que está no prato, não incomode seu irmão, não me deixe enlouquecida.
Como se eu já não estivesse enlouquecida, desde o dia que te segurei pela primeira vez, naquele cobertor de pelos curtos...

sábado, 11 de setembro de 2010

5 Pura unçã...

A @cleycianne que me desculpe, mas conheci alguém muito mais ungida, muito mais Diva do Senhor que ela.
Eis que o Pequeno Príncipe está internado há mais de uma semana, estou convivendo com pessoas estranhas (sub mundo num país sub desenvolvido, define) e ouvindo muita coisa que jamais imaginei ouvir na história desse país. Tipo "flalda,ploblema,esmorragia,parmito"..
A internação do meu filho serviu para me reforçar a importância da escola na vida das pessoas.
Ta, então a bonitnha aqui, sentadinha na poltrona "irreclinável" cedida pelo SUS, tem que escutar o papo de duas garotas do Senhor.
Irmã número 1: Eu já tentei me afastar da Igreja, mas é tão difícil. O mundo não me pertence mais. Deus sem nós é Deus, nós sem Deus somos nada. (Criatividade, a gente vê por aqui!)
Irmã número 2: É verdade, eu já até pensei em sair dos caminhos de Deus, mas o mundo não me pertence mais.
Irmã1: E as tentações do mundo são grandes...
Irmã2: Nem me fale guria. O Diabo já me atentou demais, tu nem imagina. Já cheguei até a cortar meu cabelo e pintar a minha cara.

E eu passo a ter quase certeza que beber, fumar maconha, dançar o Rebolation e enfim, vcs sabem, não tem nada haver com queimar no fogo do inferno.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

3 #DiáriosdoPurgatório

Quantos são capazes de permitir que se toque a ferida profunda sem medo da expressão de dor que vão mostrar?
Quantos podem entregar pedaços de sua alma em forma tangível?
Quantos se dispõe a fazer a Catarse diante dos famintos olhos que anseiam por devorar nossos medos e fragilidades?
Maria Juliana Dacoregio expurga e expõe essas fragilidades de um modo poético e encantador em Diários do Purgatório.
Os textos curtos servem apenas para aumentar a ansiedade pelo escrito seguinte, fazendo com que a impressão de “continua na próxima semana” descrita por Fal Azevedo na apresentação do livro, se confirme a cada página.
O purgatório, visitado por todos nós, vez ou outra, é partilhado pela autora com verdadeiros poemas escritos a sangue e lágrimas nas paredes da vida.
O livro é sem dúvida triste como é estar no fundo do poço, mas traz prosas bonitas que enfeitam a dor e nos dão a certeza do recomeço, do acordar do dormir reversível que é o sono e ir pra’um lugar, onde não precisemos de armadura, óculos escuros-de-esconder-a-dor ou maquiagem. O livro trás a experiência de quem chega ao purgatório, mas não quer ir para o inferno e é capaz de refinar a dor e encontrar dentro de si mesma, respostas para os porquês de todos nós.
Tem um Prólogo incrível e à partir das páginas iniciais podemos identificar vários queimadores de diários, caminhos e lembranças.
Um livro para ler, reler e relembrar. Páginas incríveis que falam sobre ela, mas que olhando bem de perto, falam de todos nós.

Não acreditem em mim, tentando bancar crítica de livro de uma escritora que eu adoro. Leiam e tirem suas próprias conclusões: http://escravadasletras.blogspot.com/ nem que seja para falar mal e xingar muito no Twitter.

Beijo, Outro, Tchau!

sábado, 21 de agosto de 2010

3 Um lugar para que eu amanheça.

Morar numa casa de paredes alaranjadas, é viver amanhecendo. Quando Adélia Prado me ensinou isso, minha casa não era da cor do sol.
Mudei-me para uma casa com paredes laranjas e amarelas e é realmente como se amanhecesse o tempo todo.
Eu acordo e reinvento, e recomeço e começo, e brilho, e choro, e sorrio.
As paredes que não são da cor do sol, sãoi verdes. E de que cor pintamos a esperança de quem acredita no recomeçar?
Paredes amarelas, laranjas e verdes, para que eu viva de amanhecer.
Uma varanda pra sentar e ver a lua com seus raios (ou não). Eu sempre quis um lugar onde eu pudesse amanhecer diversas vezes durante o dia.
Se eu soubesse, teria pintado as paredes de laranja e amarelo há muito tempo atrás!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

6 Vida, louca vidaaaa!

Eu imagino que a maioria dos meus (três) leitores está com saudades de me ver reclamar da vida. Sim, eu ando muito emo, falando muitas coisas fofinhas e não ando contando os meus desastres no maior estilo Big Blog Brasil. Não pensem que é porque a boca anda boa não, povo. Continuo sendo uma fudida, mal paga, lutando contra a balança e atrás do sapato perfeito que custe menos que cinquenta real.
Eu continuo fazendo faxina no domingo, sendo que o que eu realmente queria era me jogar com força numa piscina de água termal, tomando Lambrusco e fazendo massagem com cremes com cheiro de frutas. Eu continuo me ferrando na vida e me divertindo porque nasci pra desgraça, só pode.
Ainda procuro um emprego onde eu ganhe R$ 1.500,00, comece como gerente e use o msn o dia inteiro. Eu ainda quero dizer que eu como de tudo e não engordo. Eu ainda não achei um jeito de dominar o mundo. E nem a mim mesma.

Hoje eu tô bem chata E Com muita saudade disso aqui =S

sábado, 7 de agosto de 2010

2 Chovendo no molhado, sem medo


Já falei tantas vezes que Ele é o melhor do mundo. Hoje eu só queria lembrar. Leiam, porque eu escrevo para que vocês leiam, mas escrevo ainda mais para nunca esquecer, dessas ondas de amor, que eu sinto agora. Que eu sinto desde o dia que ele começou a ser pra mim, o que muitos têm desde que nasceram.

Queria abraçá-lo e com todo o amor que sinto fazê-lo entender que há coisas que não precisam ser entendidas, apenas sentidas. E que portanto, você não precisa entender porque eu sou desse jeito, apenas precisa respeitar essas coisas que eu sinto e que eu sou.
Eu queria dizer que posso não ser o que você sonhou, mas eu sou o melhor que eu posso. E que se isso é pouco, é porque eu sou mesmo pequena e incapaz, mas uma garotinha incapaz cheia de vontades de acertar.
Queria que não se envergonhasse. Não tivesse pena. Não sentisse raiva de mim.
Queria que me colocasse no tanque da tua moto e me levasse pra passear. Queria que dançasse comigo aquelas músicas toscas do Leandro e Leonardo que a gente dançava nos sábados à tarde.Queria ficar colada de novo com super bonder na beirada da tua cama, só pra te ouvir dizendo que nunca mais ia me tirar dali, e que eu teria que andar com o lençol pendurado. Queria que me levasse para fazer exames de sangue, só pra na volta me dar um Chocoleite e um pastel de carne e ovos...Queria caber de novo nos caminhões de madeira que tu fazia pro mano.
Ai Pai, eu queria fazer 15 anos de novo, e dançar contigo uma valsa desajeitada. E te dar a primeira fatia de bolo. Eu queria que penteasse os meus cabelos para eu ir para a escola como tu fazias num passado que pra mim nunca passou.
Eu queria ser pra sempre a tua garotinha. A que tu enfeitava com óculos grandes e colocava no sofá para bater fotos.
Ai, como eu queria, me encolher no teu colo e chorar porque tô com vontade, por mais que tu digas que ninguém chora por nada.
Pai, eu choro por nada! Eu choro porque é bonito. E agora, eu tô chorando pensando que nunca vou te mostrar esse texto. Que talvez, tu nunca vá ler nada do que eu escrevo com orgulho.
Eu choro. Choro porque talvez o que eu tenho de bonito e bom seja pouco, perto de tudo de bonito e bom que tu representa pra mim.
Eu agradeço, eu me desculpo, eu peço por ti, e pedirei, sempre e pra sempre, por que sempre serei: A garotinha do pai.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

6 E se eu for mesmo a melhor?

Você não pode saber que é bom. Na verdade, tem que fingir que não sabe.
Se faz entenderem o quanto você sabe que é, é arrogante, se finge não saber é acomodado.
Olha, não é nada fácil ser gente!

Preciso mesmo me lembrar que sou boa. Preciso mesmo ser arrogante porque não cabe mais em mim essa vida acomodada.

E quem viver, vai ver! Rá!

terça-feira, 13 de julho de 2010

9 Oi?

Para quem quiser saber se estou viva, estou! E bem viva, bem ligada nas paradas.
Meus caquinhos estão indo para o lugar. Todos os caquinhos. Vou colocando tudo no lugar, Tirando o pó, ajeitando, e olhando como tudo fica bonito depois de organizado. Vou olhando as palavras e emprestando-as, doando-as a quem merece. Vou guardar só o que importa.
Vou trazer pra minha casa e pra minha vida só o que edifica!
E ainda há coisas pra mudar, e tipo supermiincarno em mudar dessa vez!

Ai, ando louca pra fazer um rock na casa amarela!

sexta-feira, 25 de junho de 2010

5 Livre pra voar


E existe tanta coisa para alcançar, tantos lugares para ir. Eu não posso simplesmente esperar.
Eu não posso simplesmente esperar o tempo passar, porque enquanto o tempo passa, as coisas acontecem: ondas quebram na praia, músicas são escritas para falar por mim, sorrisos e lágrimas estão nos rostos que eu amo.
Eu não posso esperar porque existe o que não vai acontecer enquanto eu espero. É preciso que esteja lá, pra sentir, pra viver, pra entender.
E as estrelas vão parecer tímidas enquanto eu corro na areia da praia com sapatos de salto na mão. As estrelas devem ter pensado: Pra que tanta vontade de viver? Porque elas são estrelas e sabe-se lá quanto tempo terão... O meu tempo é curto, então, eu preciso correr na praia, brincar de balanço e dançar sem ritmo até cansar.
E depois eu vou dormir, e recomeçar. Porque eu não posso esperar.

A velocidade com que o tempo corre e escorre pelos dedos me faz querer correr também. Pelas praças, pela praia, pela vida. E se o tempo for bem curto... eu gostaria de ser lembrada como uma estrela.
E aos que me ajudam a chegar perto das nuvens, obrigada!

quinta-feira, 24 de junho de 2010

8 Coloque as coisas no lugar certo.

Daí, a bonitinha aqui lê uns livros fofos, vê filmes sensíveis, escreve sobre coisas que a emocionam, coisas que vem do seu coração e ninguém nem pelota.
Um dia, num acesso de fúria, ela joga um palavrão na hora certa e tem o dia twistístico mais divertido da sua vida.

Mãe, me desculpa, mas colocar o Cu na timeline foi tããão legal.

Se eu fosse famosa, com certeza faria o estilo Amy Winehouse, daria milhões de escândalos e seria a alegria das revistas de fofocas, mas a Tia Ana Maria Braga que me desculpe, melhor perder a amizade do que perder o Tweet. Coloquei o Cu na reta e vou dormir dona da frase mais retwitada do dia. Já posso começar a beber, andar sem calcinha, beijar mulheres e usar tóchicos?
E Ana querida, na nossa relação, super relacionável de executivas tão bem executivadas quero dizer que o Cu que tava lá não tinha nada haver com o teu, nem com o meu...Era um Cu ai, qualquer.

E agora deu do assunto, porque meus quinze minutos de fama já acabaram e se eu continuar falando palavrão, minha herança também vai se acabar.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

2 Só porque é triste o fim...

As lágrimas não eram de saudade, de dor, de contentamento, nem por nenhuma das coisas que ela soubesse dizer. Eram lágrimas por que ela chorava e pronto. Chorava porque estava viva! Chorava por que era bonito encerrar as coisas de um jeito maduro, por mais irritante que isso pudesse parecer a ela.
Ela chorava porque estava viva, como só podia se sentir quando pensava em coisas que não davam certo. Por que o que estava errado, definitivamente a atraia mais. O que não daria certo a fazia ter vontade de investir, de insistir. Era como sonhar com as coisas que não podia ter, porque elas não aconteceriam nunca, para que acontecessem sempre, em sua imaginação.
Chorava. Não esperava comoção, não queria piedade. Chorava por que estava viva, como lembrava de se sentir diante de situações que não seriam mais que pedidos de desculpas e histórias que jamais seriam, porque seriam sempre.

sábado, 19 de junho de 2010

6 Se alguém me dissesse quem eu sou, eu gostaria de saber?


Eu tenho aquela coisa toda que achava que eu não ia ter mais quando crescesse.
Achava que quando virasse gente grande, ia aprender a falar baixo, não gesticular tanto, limpar meus ouvidos direito e não ia mais ter chulé, mas eu cresci e ainda há tanta coisa que é igual.
Os medos são os mesmos dos meus doze anos. As distrações, os erros, as piadas sem graça não mudaram. O que eu serei então, daqui mais doze?
E se eu continuo igual, porque esperar que a vida seja diferente?
São tantas perguntas, tantas coisas que eu não sei e espero saber um dia.
E se eu nunca souber, o que importa?
Minha mãe será que sabe? Será que alguém sabe?

Como ela não sabia a resposta para nenhuma das suas perguntas, tanto fazia a ordem que lhes dava.

E as perguntas não vão ser respondidas, porque meus pais são crianças como eu, são crianças como você, e eu ainda não sei o que vou ser quando crescer.
E o que é que eu sou, senão uma criança num corpo grande demais? E quem eu sou e o quem eu quero ser? E se alguém me dissesse quem eu sou, eu gostaria de saber?

Como ela não sabia a resposta para nenhuma das suas perguntas, tanto fazia a ordem que lhes dava.


E assim, eu vou chorando, vivendo, esperando, aprendendo. E se um dia eu crescer, o que será que eu vou ser?

quarta-feira, 16 de junho de 2010

2 Considerações matinais sobre amizade:

Amizade é alma que encosta. Sem medo de entregar os delírios, os desatinos, as fragilidades,os filmes, os livros.
Amizade é chorar junto, mesmo que não aja motivo algum, porque é como comer ou abrir a boca: inevitável.
Amizade é segurar bem perto e se preocupar. É lamentar não estar lá, naquela hora, para fazer o que precisava ser feito, ou para simplesmente dizer: "eu te avisei".
É aquele amor bonito, que te faz querer ser você, sem medo do que o outro vai pensar.

E eu me descubro amiga de universos distintos, e ao mesmo tempo iguaizinhos a mim.
E descobrir uma amizade, com alguém que te faz ser você, mas te transforma em melhor a cada dia, é lindo, é poema escrito a quatro mãos.
Eu digo que é plano de Deus e você pode até achar que é só coincidência, e eu já não me importo com o que isso realmente é. Me importo com o que você é: minha amiga!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

6 Coisas que não tem par...


Mudar de casa me assusta. Tanta coisa pra arrumar, tantos brincos sem pares para serem colocados fora, sendo que ainda tem o brilho lindo das pedrinhas. Queria guardá-los, mesmo que inúteis, pois ainda tem o brilho que um dia me conquistaram.
Mudar já não me assusta mais, mas mudar de casa, ah, como me assusta: as caixas guardam coisas que eu também guardo em mim: São os bilhetes, as cartas, as flores secas sem perfume. As caixas guardam livros, bijuterias, Cd's, Dvd's...As caixas guardam o que um dia eu vou perder. Porque eu sempre penso no dia que eu não vou mais existir, e todas essas coisas tão importantes pra mim, deixaram de existir, porque o que elas têm não é valor para ninguém, a não ser pra mim, pras minhas lembranças acalentadas pelo fechar da fita que guarda em caixas, coisas que são pedaços de mim.

E quando eu não existir mais, quem vai apreciar a rosa guardada no álbum de fotografias? Para eles, será uma rosa esquecida, e pra mim, será a eterna lembrança de dias para os quais não posso voltar.
Quando eu não mais existir... quem vai se importar com os brincos que não tem par?

sexta-feira, 11 de junho de 2010

4 Deise Duarte x Pit Bull

O Marido sempre diz que me odeia quando eu tô de TPM, às vezes acho que ele me odeia o tempo todo.  Diz ele que quando eu tô de TPM fico raivosa, imprevisível e descontrolada. E eu sinceramente, acho que eu sou assim quase todo o tempo, mas me controlo e finjo que sou uma menina legalzinha.
Tá, a boa é que agora ele arrumou um Pit Bull para ser seu bichinho de estimação. Tipo, qual a parte do "eu tenho medo de cachorro" que ele não entendeu em dez anos de convivência? Sei lá, homens tem umas coisas loucas de querer provar virilidade com coisas que não provam porra nenhuma, e não quero acreditar que ele ta querendo um Pit Bull para compensar a ausência de um carro, já que agora eu ando de fusca azul. Assim ó, marido, Fusca é Fusca, Carro é Carro e Pit Bull é Pit Bull. Pega o carrinho de volta e joga essa cachorro do diabo no trilho do trem.
E enquanto isso não acontecer eu ficarei de TPM contínua.
Necessidades básicas não serão atendidas nesse lar, durante a presença do "Mancha". Como confiar num cachorro que se chama Mancha? Parece que eu já vejo os cachorro véio subindo o morro pedindo pro Manolo arranjá uma boca pra eles.

Pit Bull não é coisa de Deus, não é. Ou ele, ou eu! (de vez em quando ele sentirá a minha falta...)

terça-feira, 8 de junho de 2010

8 O mundo é tããão legal...

Hoje foi um dia bom. Atendi uma cliente legal que fez terapia grátis comigo. Pensei em trocar sua conversa que me rendeu lágrimas com meus serviços capilares, mas daí, lembrei que a boca não é boa pra mim e ela é riquinha. Ficou só pela amizade mesmo.
Depois, enviei umas 50 mil sms para todas as pessoas do mundo, num surto de garota carente e legal, que tem vontade de agradar ao mundo inteiro, mas só se ferra. Ninguém me respondeu, só a Ju porque ó, a Ju entende dessas coisas de sms. Se você manda, vc quer resposta. Nem que seja para mandar vc catar lata na esquina.
E aí, eu cheguei em casa e tomei umas batidinhas e vim pra internet, no terceiro copo, para quem bem me conhece, estarei dançando o Rebolation na Web Cam. Rá, eu NUNCA ligo a Web Cam.
Se o Lipe Casagrande bebesse as batinhas, a Priscila provavelmente dormiria finalmente em paz.
Poxa, o mundo seria muito mais legal se todo mundo bebesse as batinhas preparadas com Caninha 51.
Até Casseta e Planeta fica bom.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

3 Em profunda desordem...

Ela estava desesperadamente cansada. Cansada da casa bagunçada, do armário sempre em desordem e da alma fora do lugar.
Na verdade, eram coisas que aconteciam seguindo certa ordem, ou não.
Ela estava cansada de gente que não sabia coisa nenhuma, e que pensava que sabia de tudo. Estava exausta de gente que sabia de tudo, e fingia que não sabia de nada.
Ela não estava contente em ser espectadora, mas não tomava providência alguma para ser protagonista.
Ela estava tão cansada que não tinha forças para desafiar o que quer que fosse, mesmo que isso significasse enfrentar seus próprios medos e anseios.
Ela fechava a cara e brigava com o mundo. E depois voltava, se aninhava no peito quente e derramava suas lágrimas mornas. Gostava era dessa certeza, de que podia chorar até que os olhos doessem sem parecer coitada ou doentia.
Ela gostava daquele peito quente. Dos seus cabelos espalhados pelo peito.
Ela gostava de saber que estava dentro daquele peito.
Ela queria pôr o peito dela em ordem, e encontrá-lo lá. Onde na verdade, sempre soube, nunca deixaria de estar.
Ela precisava de uns dias, num canto. Cantando sozinha, dançando sozinha, chorando sozinha.
Mas no meio daquela bagunça, ninguém percebeu. Ou todos fingiram, de novo.

sábado, 5 de junho de 2010

8 Porque eu não devo tirar férias.

"(...)Quando as férias produzem uma perturbação não esperada na cabeça do cavalo. Aqueles campos verdes sem cercas começam a mexer lá no fundo da sua alma, justo no lugar onde estava enterrado o cavalo selvagem que ele fora um dia, antes do cabresto, do arreio e da castração. E aí um milagre acontece: o cavalo selvagem morto ressuscita, se apossa do corpo do cavalo doméstico que vira outro, e até reaprende as esquecidas artes de relinchar, de empinar, de saltar cercas, de disparar a galope pela pura alegria de correr, imaginando-se um ser alado, Pégaso, voando pelas pastagens azuis do céu e pulando sobre as nuvens… É tão bom… E, de repente, deitado sob uma árvore, ele se lembra de que está chegando a hora de voltar… Mas ele não quer voltar. Quer ficar. Surgem então, na sua cabeça, perguntas que nunca fizera: “Por que é que eu volto sempre? Será mesmo preciso voltar? Estou condenado ao cabresto, arreio e castração? É isso que é a vida? Por que voltar se não quero? Volto porque é preciso? Mas será preciso mesmo? Minha vida não pode ser diferente?”

Essas idéias malucas só acontecem quando o cavalo está só com os seus pensamentos."
Rubem Alves - Se eu pudesse viver minha vida novamente

Como foi que eu não pensei nisso antes?
Quantas vezes, estando de férias não quis voltar. Não quis colocar novamente os cabrestos, não quis estar dentro das cercas. Todos acham que o problema é entrar em férias, eu digo que o problema são os arreios. As cercas limitam os passos de quem quer chegar as nuvens, os arreios dizem para que lado seguir, sem que se possa olhar com clareza. E nas nuvens, não podem chegar os cavalos que tiveram as asas podadas. As perguntas começam timidas: "O que você quer?/Quem é você?" e depois, vão crescendo, dominando e fazendo barulhos infernais, que não permitem acreditar que a água e o capim, sempre dispostos são o suficiente.
O problema não são as férias, são os arreios, o cabresto, a castração.
Não culpem as férias, não culpem os patrões. Aprendam a tirar os cabrestos, ou a amá-los, pela simples incapacidade de buscar o céu, por não terem a insanidade de quem busca a Passárgada.

P.S: E não venham sugerir pulações de cerca, porque o post é de cotista mas é limpinho.



terça-feira, 1 de junho de 2010

9 Só acontece comigo...

O banho é um dos momentos mais deliciosos do dia. Até aí, nenhuma novidade. Qualquer pessoa limpinha curte chegar em casa e se entregar ao prazer da água quente escorrendo pelo corpo. A diferença no meu ritual "banhistico" é que gosto de me equilibrar em cima de um pé, com o outro em cima desse, fazendo uma mini cachoeirinha (tipo um Daniel San aquático,saca? Mas sem erguer tanto a perna, senão vira Kamasutra) e ADORO escovar os dentes no chuveiro.
Dai, hoje eu entrei no banho e esqueci de preparar a minha escova. Pedi pro filho mais velho colocar creme dental nela pra mim e ele gentilmente me entregou a escova com a solução pastosa.
Quando coloquei na boca, achei o gosto meio... estranho.
-Rafa, que creme dental é esse?
-Era um Bozzano que tinha aqui no armário mãe.
"Cuspes desesperados"
- Porra, escovei o dente com creme de barbear, DE NOVO?

Em menos de um ano, duas vezes. Maldita semelhança.

6 Fusca Azul 77

Eu vou contar minha vida dura pra vocês, mas eu vou contar, para que vocês tenham pena, porque senão me resta uma vida nobre, que reste pelo menos a nobreza dos sentimentos alheios. (Tá, eu sei que é pedir demais porque vocês não tem Jesus no coração...)
Eu era uma garotinha trabalhadora. Meu salário servia para pagar minhas contas e me dar uma vida decente. Meu marido, um jovem senhor, cumpria suas obrigações de pai de família e me dava todo o seu salário para que eu gastasse com livros e chocolates. Viviamos uma vida fudida e feliz, mas até aquele momento, aquele fatídico momento, nunca tinham acontecido coisas assim.
Um dia, um espirito empreendedor que me acompanha desde o meu batismo na casa de mãe de santo disse: "Monte um negócio, Deise". Sim, eu podia ter entendido direito e ter montado um Lego com o meu filho, mas bem olho junto que sou, já fui achando que era para montar um negócio (Não,não esse tipo de negócio seus tarados!), eu entendi que era para montar uma empresa.
Larguei tudo, coloquei minhas coisas num saco e amarrei num cabo de vassoura (visualizem o Chaves nessa parte) e parti para a classe patronal.
Lembro-me bem da empolgação daqueles dias. A mudança, a organização da nova casa, o primeiro cliente que EU atendi. Meu marido pedindo demissão para se transformar num empresário...Orgullho alheio de nós mesmos a nível de nós próprios. Eram dias felizes e de muito sexo. Porque quanto mais feliz estamos, mais sexo fizemos. E quanto mais sexo fizemos, mais felizes ficávamos... Coisa rica de Deus!
Mas o tempo foi passando, a realidade foi chegando, e a vida feliz de empresário se transformou num inferninho.
Chega o quinto dia do mês, o desgraçado do funcionário já ta reclamando o salário, a imobiliaria ta ligando para saber do aluguel, a Brasil Telecom quer fuder com a minha internet, a Cermoful quer mais que eu tome no CHUVEIRO GELADO, e ai, como é que ficam os meus livros? E o chocolatinho nosso de cada dia? E o IPVA do meu carrinho?
Porra, assim não pode, assim não dá.
Onde é que foram parar aqueles sonhos juvenis? (Um toque lirico para o inferno)
E mais importante que isso: Onde foi parar o meu carro que a polícia levou, porque o documento atrasou?
Isso não é vida cara. Isso não é vida.
As coisas agora estão assim: Eu ando de ônibus depois do trabalho e vou para o trabalho com um fusca azul 77.
Corrigindo ditados: "Diga-me com o que andas e lhe direi quem és!" Se você anda com um Fusca 77, você é um infeliz fudido. Tenho dito.

Se eu puder lhe dar um conselho sobre a vida, apenas um conselho: NÃO PARE NA BLITZ! NÃO PARE! Fuja logo para as colinas.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

0 Melhor ficar aqui...



“Quem sou eu então? Primeiro me digam isso, e depois, se eu gostar de ser essa pessoa vou subir. Se eu não gostar, vou ficar aqui embaixo até ser outra pessoa...”

Eu não poderia ter escrito antes de Carroll, mas se eu tivesse tido tempo, escreveria!

domingo, 30 de maio de 2010

2 Mês movimentado para os internautas Criciumenses

Em junho, os Nerds de Criciúma estão com a agenda lotada. O mundo virtual ficará desfalcado nas seguintes datas por motivo de força maior: (Dorgas, mano!)

04/06 - Quinta-feira/ NobLadies- Somente as girls estão convidadas para tomar uns drinks no Chapelão, às oito da noite. O evento se dará no feriado, para que @larissamanique, @isazanette e @caca_brunel , @'s frequentes no #madrugadãocriciuma mas que estão longe da cidade possam se fazer presentes.

19/06 - Sábado/ LuluzainhaCamp- Outro evento para mulherzinhas. Esse acontece em vários estados do país e receberá as garotas da região Sul, em TubaCity. O evento está sendo muito bem organizado pela @maitelemos, e com certeza será um grande sucesso. Eu já fiz a minha inscrição e espero que a mulherada se empolgue, porque as gargalhadas reais são muito melhores que "hauhauahuaua" "hehehehe" e "rsrsrsrs". Dia 19/06 eu quero folga viu, chefa?

25/06 - Sexta/ #NobCriciuma5 - Finalmente uma chance para os garotos. Segundo fui informada pela @priscilaadv essa edição estará ainda melhor que a anterior. Se o #NobCriciúma4 já foi um sucesso, nesse neguinho não vai nem lembrar como foi que chegou em casa... Para maiores informações é só seguirem as @'s certas e acompanhar as informações pelos blogs, já que é um evento que sacode mesmo os twitteiros e blogueiros da cidade. Quem não for vai chorar que eu sei.

2 Sonhos

Não tenho conseguido lembrar dos meus sonhos. Na verdade, acho que devaneio tanto quando acordada que acabo misturando tudo e não consigo distinguir que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, mas eu lembrei do que sonhei essa noite.
Sonhei que ganhava um livro com uma capa linda (parecia a capa do Atlantis, que eu nunca consegui ler, mas é uma PUTA capa!) e com uma dedicatória de três páginas. Nunca vi livros terem dedicatória tão longas, mas creio que a pessoa que me deu o presente tinha muito pra me falar.
Acordei chorando diante de tanto carinho, emocionada especialmente com a última frase "Até breve..." porque quem me deu esse presente, muito provavelmente não vai me ver nunca mais, quem dirá em breve.
Foi bonito. E triste.
Mas eu ando achando tudo que é triste bonito.
E agora eu lhes pergunto, telespectadores, como Freud explica isso?

quinta-feira, 27 de maio de 2010

7 Sintonizando com a pobreza

Ficar sem carro é coisa do capeta.
Andar de ônibus é ser perseguida pelo Karma. E eu só não vou dizer o que a vida ta tentando fazer comigo porque se o meu pai ler, ficaria com vergonha de mim. Mas perguntem pro Chicuta, pq a vida já tentou fazer a mesma coisa com ele.
E se não bastasse td o sofrimento que é a pobreza bater a sua porta, cheguei no fundo do poço. O ÔNIBUS!
Ai, eu andei de ônibus e descobri algo que eu já tinha me esquecido: Motoristas de ônibus tem gosto musical duvidoso.

Será que dá pra devolverem minha vida? Não? então, seu puliça, devolve só meu carro vai...

quarta-feira, 26 de maio de 2010

4 Deise in Wonderland

"Como são intrigantes todas essas mudanças! Nunca sei ao certo o que vou ser no próximo minuto”

Alice no País das Maravilhas não deve ser assistido, nem lido. Deve ser saboreado, como algo estupidamente doce, que se engolido sem cautela, causará enjôo, mas é irresistível e não se pode deixar de beliscar. Alice no País das Maravilhas deve ser degustado, e eu estou me embriagando de seus diálogos incríveis, da forma linda e sensível como as confusões aparecem.

Já nos primeiros capítulos estou a pensar, como eu nunca tinha pensado nisso antes...

Já escolhi tantas frases que deveriam ter sido escritas por mim que é capaz de transformar as anotações em uma biografia, algum dia.

Impressionante que a pergunta mais importante seja "Quem é você", e que embora pareça mui simples, Não deve ser respondida sem pensar se você não é apenas o que gostariam que você fosse.



Agora eu entendo porque ela lembrou de mim quando leu.

Recomendo!

terça-feira, 25 de maio de 2010

6 Enquanto isso, no meu trabalho...

Senhora muito gentil comenta comigo:
"Sabe, aquele dia que eu vim aqui até falei pra minha filha: -Visse aquela moça do salão? Ela é gordinha, mas mesmo assim é bonitona."

Era pra ser um elogio?

segunda-feira, 24 de maio de 2010

8 Coisinhas frescas! Adoro!

                      Quando vi esse meme ser respondido no blog da Ju Dacoregio, achei tão simples e tocante que resolvi fazer logo. Porém escolher as imagens me faria passar por fases lindas da minha vida e eu decidi que queria curtir isso. Aproveitar! Porque as coisas valiosas são realmente as simples, e estamos tão ocupados que não degustamos, não saboreamos o que é colocado na nossa frente para ser comido com a mão. Estamos sempre esperando os talheres de prata, a taça certa, o prato principal. Eu me lembrei, com esse meme, com certas músicas, com certas companhias que eu quero é ser feliz tomando vinho em copo de requeijão e limpando a boca na barra da toalha da mesa. Mas o assunto hoje é meme,e não #mimimi então, vamos as regras:

1) Colocar o selinho e regras no blog!
2) Responder com muita sinceridade (quem sou eu, o que me faz sorrir, o que me faz chorar, a minha cor, a melhor lembrança, a música é, o filme, o pecado, o cheiro, o esporte, o hobby, o livro, o sonho), apenas com imagens (não vale responder por escrito);
3) Indicar as pessoas para responder e colocar seus links no final do post;
4) Deixar um comentários para a pessoa, avisando que ela foi indicada para a brincadeira;
5) Dizer as três lembranças mais fofas da infância.
 
1) Quem sou eu:
 
 
2) O que me faz sorrir:


3) O que me faz chorar:

4) A minha cor:

5) A melhor lembrança:

6) A música é:



7) O filme:


8) O pecado:



9) O cheiro:

*

 10) O esporte:



 11)O hobby:


12) O livro:

13) o sonho


Vou passar a vez para os blogueiros que eu adoro, e espero que o bom humor que lhes é natural, se apresente nas imagens que postarão.




Ahhh, as lembranças fofas de infância... São tão constantes que poderia tocá-las agora mesmo.

Meus exames de sangue feito em jejum. Eram as poucas oportunidades de lanchar na rua (Gente, eu era tãããooo pobre) e quando eu ia com meu pai fazer coleta de exames, ganhava um pastel de carne e ovos e um chocoleite. Lembro da gente, sentado no café São Paulo ou no Café Rio, e eu, me achando a riquinha com aquele pastel gordurento na mão.

As danças que faziamos no sábado a tarde depois da faxina. Eu, meu pai, minha mãe e meu irmão enquanto na "vitrola" rolava Leandro e Leonardo, Roberto Carlos ou congêneres. Pulávamos em cima da cama e aquelas gargalhadas felizes da minha mãe deveriam ter sido guardadas num pote, para que eu escutasse sempre que me esquecesse como é o riso dela.

O Cine Opera e "A pequena Sereia". Assisti esse filme mais de dez vezes. Minha mãe ganhava ingressos na escola, e eu, ela e meu irmão assistimos até decorar as falas. Quando saíamos do Cinema, rumavamos para a Praça do Congresso e depois almoçávamos no Eliza. (ai,eu já não era tããããoooo Pobre. Só pobre) e era um momento em que eu via meu irmão parecer um menino sem traumas, Sem medos.Um menininho comum. Ele era realmente feliz no cinema, na pracinha, no Eliza. Acho que vou convidá-lo para ir ao cinema e depois pagar um almoço. Eu ia gostar de vê-lo esquecer de tudo, e ser feliz. Feliz como esse tempo foi.


*Se alguém não entendeu, a imagem refere-se ao cheiro de terra molhada. Rá!

E é isso. O que é essencial é invisível aos olhos, mas pode materializar-se, vez ou outra.



sábado, 22 de maio de 2010

4 Ser ou não ser...



Ela queria dançar até que o mundo se acabasse.
Queria aproveitar os gostos bem depressa. E sabia que não se cansaria da dança, e dos passos desengonçados que daria. Sabia que faria careta com algumas coisas que provasse, que cuspiria, que enjoaria. Não se importava. Colocaria a bílis pra fora, sem arrependimento.
Ela queria o lilás da vida, o rosa, o azul e os tons cinzas passariam bem depressa, ela sabia.
Ela queria soltar as mãos e andar pelos trilhos, sem medo dos trens.
Ela queria chorar de tanto rir, morar na praia e fazer caridade.
Ela queria adotar uma criança.
Queria se embriagar até esquecer dos atos cometidos.
Queria fazer sexo sem amor, sexo com amor. Queria viver de amor, sem precisar de paixão.
Ela queria encontrar um amigo que realmente se importasse, como ela se importava.
Ela queria andar descalço na areia da praia molhada pela chuva.
Queria beijar na chuva. Queria um pequenique na montanha.
Queria encostar a mão no rosto de alguém e prometer que estaria ali pra sempre. E estar.
Ela queria ser alguém de verdade.
Alguém que não se importasse com nada, a não ser em ser, quem realmente quisesse.
Ela morreu e ninguém viu.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

4 Para tudo, que eu quero receber

Certamente vocês nunca me ouviram/ouvirão falar de política, porque eu não costumo falar sobre coisas que eu não entendo, e eu não entendo de política, politicagem, maracutaia, e acredito que existam políticos honestos e determinados a modificar a atual situação vergonhosa do país. Exemplo disso, é o Ficha Limpa, que foi criado e aprovado por políticos. Logo, o que quero deixar bem claro é que esse "desabafo" nada tem haver com política, mas tem haver com uma mãe, cujo filhos são estudantes de escola pública, uma mulher que utiliza o Sistema único de saúde, e uma pobre coitada  que usa o carro para ir para o trabalho todos os dias.

Minha mãe é servidora pública municipal. Formou-se em Pedagogia há dez anos, com grande esforço, considerando o salário e sua carga horária exaustiva. Sim, porque minha mãe é das professoras que corrigem cadernos em casa, faz lembranças fofinhas para os alunos e trabalha o dia todo em sala de aula. É concursada, portanto, nunca sofreu as pressões que os professores contratados lidam a cada mudança de partido, mas sempre batalhou para que seus alunos fossem seres humanos instruídos e que se sentissem acolhidos dentro do ambiente escolar. A história de minha mãe é comum há tantas outras professoras e vou defender a greve dos servidores municipais referindo-me a minha experiência pessoal.
Não vejo minha mãe reclamar de seu salário, nem das condições de trabalho. Ela reclama quando falta merenda, ela reclama quando precisam de reparos na escola e eles demoram a acontecer, mas minha mãe ama o que faz. Minha mãe reclama quando as coisas aumentam e seu salário não. Ela reclama quando seu aumento é inferior ao aumento da despesas básicas. É uma profissional responsável. Minha mãe não abandonaria seus alunos a sorte, deixando-os sem aula sabe-se Deus por quantos dias por capricho. Antes de tomar essa atitude, minha mãe (Ta, foram os representantes dela) tentaram reunir-se com o prefeito, antes disso, um acordo foi feito e não foi levado a sério e isso é desrespeito.
Quando os servidores resolvem fazer paralisação todas as tentativas de negociação já foram ignoradas. Meu filho, estuda em escola pública e um dos absurdos que ouviu foi que o prefeito "não mandaria mais os uniformes escolares se precisasse aumentar o salário dos professores."Não sei de onde saiu essa bobagem, mas fica claro que o objetivo do boato é deixar a sociedade enfurecida com os professores "preguiçosos" que não querem trabalhar e ficam fazendo greve, já que o "uniforme gratuito" é um benefício para a comunidade em geral, e o aumento do salário dos outros, não interessa num primeiro momento. (Farinha pouca meu pirão primeiro sabe?)
Os preguiçosos arruaceiros vão até o Paço Municipal no seu horário de trabalho durante os dias de paralisação e depois trabalham para cumprir todo o ano letivo. Ninguém fica parado, não. O povo se mexe, faz bagunça, bate panela.
E só assim a sociedade percebe que a massa trabalhadora ta insatisfeita com o patrão.
Ah, e seriam os buracos na cidade que transformaram a paralisação em "greve dos servidores públicos" e não "greve dos professores" como nos anos anteriores?

Se o @seuputz fosse falar disso, certamente faria com mais consistência do que eu, mas me permito desabafar porque tenho ouvido tantos "xingamentos" de gente que nunca passou dificuldades na vida, de gente que nem sequer precisou receber salário, de gente que de tão coitada, eu não deveria nem considerar... Enfim, querido diário, por hoje é só!

7 Inferno astral

Inferno astral não é aquele lance que antecede seu aniversário? Tipo, trinta dias, senão me engano.
Alguém pode avisar os deuses que eu só faço aniversário dia 28 de novembro (anotem ai tb, obrigada!) e que estão me ferrando antes do tempo.
Puta que pariu, aquele lance de Viver é foda, morrer é difícil é mato pra essa vida.
Pode vir vida! Pode vir quente que eu estou fervendo, pois se o estupro é inevitável...Rá!
Mas se piorar trinta dias antes do meu aniversário, naquele famoso "inferno astral" dos mortais comuns todos vão cantar baixinho entre gemidos "Ela era tão bonitaaa....tão jovem..." pq na boa, eu não vou aguentar.

Mas não se desesperem que eu ainda tenho muita sacanagem que a vida me faz pra contar. Deixa só eu criar coragem pra contar p vcs o quanto a vida anda tentando "me pegar" de jeito.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

1 Teto sem respostas

O teto não diz nada.
Melhor sair daqui, abrir bem os olhos e procurar em outro lugar.
Melhor ir pra onde exista ar, e não poeira.
Melhor tirar as teias.
Vou tirar o velho sorriso do armário, e usá-lo
ele sempre cabe, ele sempre coube.
Se não olharem direito, vão invejar o sorriso
e se olhar bem, também.
Eu posso mentir bem, também.

domingo, 16 de maio de 2010

Estava almoçando com a querida Kellen Rodrigues, num ritmo de despedida e no meio de um assunto animado:
@deiseduarte diz: "Me leva pra São Paulo contigo?"
@kellenrodrigues responde: "Sempre tem lugar pra mais uma mala."

E parafraseando a própria Kellen...quem tem amigos, tem tudo!

quinta-feira, 6 de maio de 2010

10 Eu prefiro ser...

Eu cortei meus cabelos hoje. (não, não foram os pulsos) E ai me lembrei de que é sempre assim, meus cabelos mudam de cor e de altura cada vez que eu quero mudar de vida. Mas se meu humor continuar instável como anda, é capaz de eu acabar com um moicano azul.

Hoje eu estou tão, mais tão melhor que ontem, que tipo assim, #oremos para que nada estrague isso.
Fiz a unha, me maquiei, cortei o cabelo, procurei um terapeuta e paguei algumas contas. Isso tudo hoje. Porque nos últimos 15 dias, eu não sei nem aonde eu estava e nem o que estava fazendo.

E amanhã, qualé a boa?
O Jô me chama, minhas amigas me arrumam um cigarro de maconha, meu terapeuta vai ser lindo, loiro, ter olhos verdes me levará pra morar na praia e eu viverei feliz para sempre com próteses de silicone, barriga tanquinho, perna dura, bunda em pé, uma biblioteca com parede de vidro com vista pro mar, uma música pra eu dançar, largando o corpo como se ninguém estivesse olhando e deixando os sapatos de lado quando eles me pedirem pra parar de dançar. E deixando de lado tudo aquilo, que limite meus movimentos.
Janelas ampliadas, asas criadas, sonhos infantis e doces pra serem realizados exatamente como são,de maneira simples e do jeito certo.

Sabe, se nada der certo, vou voltar a ser ruiva, cortar chanel e começar a fazer bijuterias pra vender. Imagina essa pessoa, com saia de cigana, na praça Nereu Ramos gritando "Banha de peixe boi da amazônia"? é...visão do inferno!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

5 Enquanto as asas não vem...

(Do verbo "vir" e não do verbo "ver" porque eu não entendo de acentuações, ok?)

Pessoas não são palavras. Palavras são palavras. Atitudes fazem pessoas.
Não me falem coisas bonitas das quais seus corações são vazios, não me façam coisas toscas.
Eu cansei de coisas toscas.
Acho que é preciso alçar vôo e agora estou irrigando minhas asas. Porque como as lagartas é preciso passar um tempo vivendo no casulo. Não se pôde rompê-lo antes da hora exata, para que não se corra o risco de morrer sem ter as cores. Ninguém vira borboleta sem passar pelo sofrimento de expulsão do casulo.
Ninguém sai das redomas de vidro sem conquistar arranhões.


"E eu Voei tão alto que ninguém chegaria aos meus pés..."

terça-feira, 27 de abril de 2010

4 Novela das oito é MATO!

Eu nunca fiz um "Bucket List", nem o clássico "Esse ano eu vou..." para ser levado a sério. Eu tiro onda e coloco super prioridades como: "comprar uma empregada, trocar meus filhos por um que gastem menos", mas uma lista de coisas para fazer antes de morrer, de verdade, nunca foi feita.
Vou trabalhar nisso nos próximos dias. Colocar uns itens que estão no coração e na cabeça num papel e torcer para riscá-los bem depressa.
Sim, porque eu tenho pressa. Pressa de cheirar, de sentir, de ver as cores.
Eu tenho pressa de que as luzes me ceguem, e os sons me enlouqueçam. Tenho pressa em sorver os gostos, em experimentar.
O que nunca foi visto, tocado, sentido. Vivido!
Porque meus sentidos estão desarrumados, minha cabeça está desarrumada mas eu tenho onde segurar. Sempre há. Sempre haverá.
Dia desses uma amiga definiu: "é tanta vontade de viver que eu fico até impressionada", então, vamos Viver a Vida, Manoel Carlos?

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Não preciso saber o que quero. Na verdade, nunca se sabe. Ninguém nunca sabe.
Mudamos o tempo todo, e é impossível ser sempre um só, ou sempre o mesmo.
Em mim mora a louca, a ortodoxa, a flexível e a irredutível, todas no mesmo dia, mudando de cara, sem mudar de roupa.
Não que eu goste de ser tantas, mas acho que ser uma só é chato. Tão chato quanto estar me sentindo desse jeito, agora. Tão mesclada, tão mistura, tã estranha.

Eu não sou uma só, mas todas as que estão aqui, são confiáveis. Menos para mim.

"Por você eu faria isso mil vezes..."
E por mim?

domingo, 25 de abril de 2010

1 Fui viver e já volto!

Quando um Leão Covarde pede colo para uma garotinha frágil e todos os sonhos que um dia existiram no coração ausente de um Homem de Lata se vão. E o raciocínio perdeu-se há tempos, como se eu fosse um espantalho que fala. O cérebro não comanda, não manda, não fala.
O medo é maior que tudo agora. Mas eu Vou até Oz, vou até o fim do mundo, vou pro inferno e volto rindo, mas não caibo mais aqui.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Certas vezes na vida, temos vontade de cantar, de dançar, de sorrir, de compor, de esculpir, de escrever, de viver sem nem saber porque.
Às vezes me dá vontade de fazer rapel, voar de asa delta, morar na praia, comer carne de cachorro e criar cabritos. :O
Às vezes me dá vontade de colocar o dedo na garganta e jogar pra fora essas dores de estômago que aparecem quando não existem borboletas.
Eu tenho vontades estranhas, em tempos estranhos. Não quero ser normal. Acho normalidade uma chatice.
Gosto que se lembrem de mim quando ouvem uma canção, gosto que sorriam ao ler minhas cartas, gosto de pensar que faço bem pra alguém. Não pretendo ser alguém que um dia alguém sonhou, mas gosto de estar sendo isso, temporariamente.
Eu gosto de ser eu mesma, mas quando essa maluca aparece, querendo cantar, dançar, sorrir, compor, esculpir, escrever e viver eu a Deixo estar em mim. Solto-a como se soltam crianças em parques. Dou liberdade para que escolha o repertório, o público e suje-se até cansar. Quando essa garota vivaz entra em mim (opa. epa!) eu quero é aproveitar, porque a vida que ela tem, me entorpece, me enlouquece, e me fascina.
Pena que às vezes ela se vá, e ai, me faltam palavras e canções.

domingo, 18 de abril de 2010

9 Vamos dançar!Cantar! Viver!

É domingo.
Eu acordei com a cabeça dolorida e os olhos ainda cansados. Ontem eu me diverti. Na verdade, eu sempre me divirto. Sou capaz de me divertir no trabalho, no hospital, na casa da minha vó e sou capaz de me divertir enquanto o mundo todo pede para parar. É energia mesmo, energia boa, que existe por existir, mesmo quando não sei porque.
Quando eu saio com gente de quem eu gosto (e ontem, eu estava perto de gente pra quem não preciso rasgar seda, ou puxar no saco) eu sou feliz de verdade. Não é preciso jogar charme, não é preciso fazer tipo. Posso ser eu mesma, ser chatinha e até inconveniente. Posso dizer: "Vamos dançar?" e mesmo que ninguém aceite, eu fico sorrindo. Posso acompanhar uma amiga que canta "Vampiro Doidão" sem me preocupar com o quão desafinada eu sou. Ligo o Foda-se facilmente quando tô com gente bacana.
Contraceno apenas para fazer rir, e não porque tenha medo de que alguém não goste do que eu realmente sou. Eu não me importo que não gostem, desde que finjam direito.
E eu não finjo. Só sinto.
Coisas que não sei explicar, nem entender, nem definir.
Eu sinto, porque a vida é instinto. A vida é sensação! A vida é escolha!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

6 A felicidade está nas coisas mais simples da Terra...

Não sou o tipo de pessoa que precisa perder para aprender a valorizar (apesar de já me acusarem disso...) mas existem coisas que eu aprecio muito mais hoje com meu horário e local de trabalho extremamente restritivos do que quando eu vivia em liberdade (Porque eu defino trabalhar no shopping como liberdade condicional). Folgas no sábado a noite, por exemplo, são pra mim uma dádiva!
Ontem eu sai do trabalho para ir no médico Às17:30 e pude ver o sol se despedir: ele, naquele laranja incomum, misturando-se com as nuvens brancas, assumindo um tom de rosa...uma coisa esplêndida.
Eu sempre achei o sol indo dormir muito bonito, mas fazia algum tempo que eu não o via fazer isso. Desejei estar na praia. Bem acompanhada.
Ai me lembrei que eu quero estar na beira da praia, com espumante, morangos e pacotes de Doritos, ouvindo Legião Urbana e esperando o sol dormir numa tarde de outono. Eu sonho com isso, mais do que com uma ida ao Cristo Redentor. É tão simples, tão executável, e porque eu ainda não o fiz? Será possível que eu me pareça com o tipo bobalhona que não aprecia as coisas simples e belas que a vida tem?
Bem... eu olhei o sol. Enviei mensagens para uns amigos para que não perdessem o espetáculo e agradeci a Deus, por eu ser essa pessoa sensível, que sabe apreciar um pôr do sol, Uma cartinha de amor, uma sms no celular, o nascimento de uma criança, uma música de letra bonita. Agradeci o sol, por continuar indo e vindo, mesmo que eu esteja presa entre os concretos da vida.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Quando meu filho de oito anos fala algo do tipo "Confie em mim que eu tenho um plano" "Pode deixar que eu te seguro" ou "AAAA ta" Com olhinhos inocentes,depois de ter feito uma grande cagada, eu fico achando que existe muito de mim naquele pequeno. Me dá um orgulho sabe: Do Rafa não ser um bunda mole manhoso, uma criança estúpida e babaca. Dele ter um jeito meigo, mas ser engraçado, ter um humor desenvolvido... Mas hoje, fui buscá-lo no Muay Thay, suando como um porquinho e de longe vi ele reverenciar o mestre e sair cabriteando da sala, todo animado.
Chegamos em casa, ele pegou suas coisas foi pro banho. Saiu comentando:
"Mãe,Tu viu o gurizinho que ta treinando agora lá na acadêmia?
"ãhram"
"Desconfio que ele ta no treino errado. Devia fazer Sumô!"

Eu pensei em dar um tapa na cabeça dele por estar rindo das pessoas, mas ai eu pensei: "Nada que o Pai dele não fosse dizer dali há 5 segundos."
Uma vez vi o Seu Putz dizer que bom humor era hereditário. Amém!

7 Coragem, raciocínio e coração

Estava cantando com minha sapatilha de lantejoulas "Siga o tijolo amarelo, siga o tijolo amarelo, Para Oz. para Oz" e dançando em cima daqueles símbolos que tem nas calçadas de Criciúma. Assisti à peça há uns três anos e o espetáculo é lindo, mas não foi nisso que eu pensei enquanto cantarolava e meu filho e marido riam dizendo que eu parecia mesmo com a Dorothy (só que mais desafinada).
Pensei que eu pareço com todos os personagens da Fábula.
Eu tenho medo o tempo todo, e mesmo que alguém me veja como uma leoa, forte e valente, basta olhar nos olhos pra enxergar a fragilidade morando ali. E como o leão, que quer pedir coragem para Oz, eu corro o mundo buscando um lugar onde eu possa ser eu mesma, sem medo e mesmo que durante o caminho eu demonstre momentos de bravura, não vejo a hora de encontrar alguém onde eu possa pular no colo e ficar esperando todo o receio passar.
Assim como o Espantalho, eu preciso de um cérebro. Um que pense direito, que não mande mais palavras para a minha boca do que as pessoas estão dispostas a escutar, um cérebro que aja sempre direito, que não me engane em situações onde o medo (supondo que eu não ache a Coragem que Oz prometera...) ou as vontades tomem conta do que eu sou. Se eu encontrasse com Oz, pediria sim, um cérebro, porque o meu veio com defeito.
Ahhh, e pediria um coração, como tanto sonhava o boneco de lata. Não para bombear o sangue, porque isso é explicação de quem não conhece o poder do coração. Um coração que selecione escolha bem. Um coração que se entregue apenas ao que é certo, e não para qualquer coisa que pareça boa. Eu gostaria que Oz me desse um coração que atendesse ao cérebro sem titubear. Eu até tive um coração bonito, mas não soube cuidar dele.
E sim, eu pareço com Dorothy. Rodo o mundo, mas no final eu sei: “Não há lugar, como o nosso lar.”

E poupem-me de comentários: Parece também com a Bruxa do Oeste. Isso serviria apenas para afundar minha semana.
Obrigada.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

8 Eu minto, mas é pro bem.

Vocês que tem estagiárias ou secretárias, sabem muito bem que a culpa é delas. No caso da história de hoje, a culpa é minha.
Eu minto. Mas qual o problema da mentira quando ela salva sua pele, seu emprego, seu salário ou o pescoço alheio? Existem situações em que a mentira pode ser nobre.
Exemplo: A pessoa é feia que dói, e eu deixo o cabelo dela lindo (pq na boa, eu sempre deixo o cabelo delas lindos #fikdik na hora de colocar um mega hair ;] ) e no final do trabalho ela me pergunta: Fiquei bonita? Eu não posso responder "Nasça de novo" ou "Milagre é com Jesus" então eu digo, "Ficou linda". Às vezes prefiro simplesmente dizer "O Cabelo ficou perfeito!" E esse tipo de mentira é mentira boa, porque a pessoa se engana e pede para ser enganada, saca? Já sabe que é feia porra, porque me pergunta?
Mas a mentira que vou contar para vocês, não tem nada haver com as minhas mentiras de vendedora megueira, e sim, com as mentiras que as secretárias contam.
E é claro que existem váááárias. "Ela está em reunião" "Está viajando", mas como eu disse, mentiras nobres são as que a gente conta para salvar a pele de quem nem nos pediu essa gentileza.
Dica para os maridos: não acreditem nas secretárias. Elas são pessoas ruins.
Ta que o marido me liga essa tarde: "Eu poderia falar com a fulana?"
Eu, com minha doce voz de mentirosinha das causas nobres: "Quem?"
"A Fulana De tal" (entendam nome e sobrenome) "Ela tem horário ai para pintar o cabelo hoje..."
"Desculpe, mas ela ainda não chegou senhor."
"Tu sabes me dizer qual é o horário dela?"
"Olha, esse horário ta na outra agenda, que fica com a outra secretária...não tenho como verificar isso porque ela está no intervalo agora."
"Ahhh, então ta. Eu ligo depois."

O nome da esposa não aparecia em agenda nenhuma, e eu sou a única pessoa responsável pelos agendamentos. Ou seja, eu já sabia que a mulher não ia aparecer ali hoje à tarde.
E eu não atendi mais nenhum telefonema daquele número e agradeci pelo incrível invento que é o Identificador de chamadas. E eu estava até me sentindo culpada quando pensei: Esse cara também quer ser enganado. Ele sabe muito bem que ela não vinha pra cá.
E a culpa dissipou-se num misto de alívio e mal caratismo. DElícia!

8 Coraçãozinho cheio de ódio S2

Com um layout tão lindo eu acabei ficando sem palavras. (Imagina se eu tivesse com as palavras, o que vocês não teriam que ler?)
Eu não sei bem sobre o que escrever hoje, mas tinha que escrever alguma coisa porque eu sei como ficam os meus leitores (três) quando eu me ausento por uns dias. Vocês ficam felizes, e eu não suporto gente feliz. (Sentiram a maldade que existe no meu coração?)
Então, hoje eu vou fazer um querido diário e dizer que o meu cliente comprador de perucas apareceu lá na loja de novo. Gente, eu juro que eu não quero debochar do cara, não quero expor ele não...mas fica difícil quando ele tenta insistentemente me convencer que é macho. Poxa vida, colega! Se joga! tenho a cabeça aberta e tô louca para te ajudar a pôr um cílio postiço. Não fica nessa de "é pro carnaval" que já tá muito manjado. E sim, pode trazer as fotos do teu carnaval em Floripa com os teus amigos e com a tua "esposa" que eu tô curiosa para te ver bem barbeado.
Outra coisa que me aconteceu de legal, Diário, foi ver um "primo de um amigo meu" que casou com uma maluca com quem namorou por apenas vinte dias descobrir que ela é maluca. Eu avisei, mas ninguém me escutou. Eu tenho imã para maluco, não sei se já contei aqui, então o radar apita quando vejo um...e ele pensou que ia se dar bem, e "se ferrou-se". Quer saber o que meu coraçãozinho cheio de ódio tem a dizer sobre isso: Bem feito!
E agora, com minhas maldades lançadas na rede, eu vou dormir feliz. =)

Só para constar eu não estou de TPM, nem mal comida. Nada daquelas coisas que normalmente afetam meu humor...eu só estou, com um bom humor negro hoje. Delícia!

quarta-feira, 31 de março de 2010

11 E se fosse um filminho água com açucar?

Eu estava pensando esses dias, em como seria bom se a nossa vida fosse como nos filmes melosinhos que a gente assiste. Tipo, Menina gosta do menino garanhão, menino garanhão fode com a vida dela, menina vira uma super gata pq o pai ganha na mega sena (ou arruma uma gêmea rica que está cansada da vida "cara da riqueza") e ignora o menino garanhão. Se apaixona pelo Nerd bonzinho, Vivem felizes para sempre.
Ou: menina se apaixona pelo cara. Não sabe o que fazer para chamar a atenção. Um mago sai de dentro de uma caixa a enche de dicas de "Como prender um cara em 10 dias". Menina se transforma em mulher dos sonhos, mago que sai da caixa se apaixona pela menina que tirava meleca do nariz. Vivem felizes para sempre.
Ou ainda algo do tipo: Pessoa tem doença grave, vive a vida intensamente. Gasta dinheiro em orgia, DORGAS e viagens e morre feliz da vida, numa praia distante e com a bunda bronzeada e cheia de areia.
Nada de finais tristes, enrolados, No felizes para sempre pode haver reticências, mas veio primeiro o Felizes para sempre(...). Não existem pontos finais, simplesmente. Existem exclamações e reticências.
Na vida real existe interrogação no fim do roteiro.
Mas sabe, se a minha vida fosse um filme água com açucar, eu não teria inspiração. Não descobriria quem realmente vale a pena, quem gosta de mim mesmo que eu tire meleca do nariz (Vá dizer que tu limpa de cotonete?) quem é meu amigo de verdade, (sem precisar beber para dizer que me considera...)
Se a minha vida fosse um filme, seria daqueles em que tudo dá errado no final, todo mundo se fode (no mal sentido da palavra) e teria umas pancadarias e mortes no final. Mas quer saber? Que graça tem o "felizes para sempre" se pra sempre, sempre acaba?

Sei lá... talvez eu queira fazer um filme novo, mas com os personagens iguaizinhos. Os mesmos atores, com papéis cada vez mais bonitos e intensos.

sábado, 27 de março de 2010

12 É necessidade de viver!

Me chamaram de egoísta e as palavras entraram como uma facada em mim.
Eu, que me acho boazinha, altruísta, solidária, tive jogado no cara qualidade que eu achei que não cabia em mim.
Ai, eu chorei (como eu sempre faço quando algo dói, alegra...emociona, enfim) e parei pra pensar. E eu não sou egoísta. Só passei tempo demais me anulando, me escondendo, vivendo as coisas que desejariam que eu vivesse e sendo o que sempre esperaram que eu fosse.
E de vez em quando, eu sou Eu.
Me entrego aos meus desejos, e a insanidade. De vez em quando, consigo o equilíbrio que todos buscam me atirando de cabeça nas loucuras. E nessa hora, eu não quero estar certa, não quero ser diplomática, eu quero ser feliz.
E eu posso ser chamada de maluca, de insana, de egoísta, mas se olharem bem de perto vão perceber...é só necessidade de viver.

E não cabe em mim, não cabe em ninguém essa força, essa vitalidade, essa coisa que esmaga tudo e eu sou obrigada a colocar pra fora.

segunda-feira, 22 de março de 2010

10 Onde vão parar?

Ganhei há alguns dias um livro, que me encantou desde o começo, apesar de eu ter relutado em iniciar a leitura porque achei que era meio gospel, meio auto ajuda. Mas me enganei.
Estou lendo "Carta entre amigos- sobre medo contemporâneos" do Padre Fabio de Melo e Gabriel Chalita, e me impressiono com a profundidade com que as suas palavras têm me atingido. Apesar de muita gente criticar (e eu também criticava quando via o Padre Gato Fábio de Melo naquela propaganda podre do CD na Globo,onde ele aparece falando com a Web Cam), eu me encantei com o gosto literário, musical e com o modo como ele desvenda a alma feminina em suas pregações e palestras. Claro que eu pegaria ele frouxo, claro que dúvido da sua masculinidade, claro que acho o show dele um absurdo de caro. Mas dê a Cesar o que é de Cesar, e o padre me carrega para lugares da minha alma não visitados com seu jeito de escrever, e mesmo que o que eu vá citar hoje não é dele, chegou até mim, graças ao seu livro que de Gospel e auto ajuda, não tem nada. Chico Buarque diz em 'A moça do Sonho': "Um lugar deve existir, uma espécie de bazar, onde os sonhos extraviados vão parar"
Então, se vocês encontrarem esse lugar, deve ter lá, uma mala, um baú, com meu nome. Favor, lacrarem e jogar no mar, porque os sonhos que eu perdi, são tão tolos, que não valem nem a pena pra sonhar.
Ta, mentira...se vocês encontrarem esse bazar, não comprem os meus sonhos, só mandem a eles lembranças, porque eu creio que os meus sonhos também têm saudades de mim. Porque eu voltaria pra eles... resgatando-os até, do fundo do mar.

sexta-feira, 19 de março de 2010

6 Lei de Murphy

Uma vez eu trabalhei de telemarketing.(Sim eu dizia: A senhora poderia estar comprando e nós estariamos lhe enviando...) E como eu já disse anteriormente Lei de Murphy é assim nomeada para proteger minha identidade. Mas como eu sou bocuda, contei.
Hoje recordei um fato.
Se a pessoa Chamava "Daiane", eu dizia que queria falar com a Daiane, mas se a pessoa chamava "Carmita" eu já pedia para falar com a dona.
Ai eu liguei pro número que estava aparecendo na minha tela (e não era da Polishop) e perguntei:
Boa tarde, a Dona Carmita está?
E quem me atendeu respondeu: O corpo dela ainda não chegou. E desatou a chorar!

Tipo, porque em ummilhãooitocentasedezessete pessoas eu tinha que ligar para a Dona Carmita que tinha acabado de morrer. Desgraça pouca é bobagem.
No meu caso, desgraça pouca é presentinho.

Lembrei disso pq ultimamente...pqp!

terça-feira, 16 de março de 2010

8 Top Five - Roberto Carlos

Maria Juliana não pede, manda!
E meme é uma coisa que eu curto, acho bobo, mas combina comigo exatamente por isso. Além do que, meus posts andam muito caidinhos ne? Meme é bom, não complica a minha vida.
Lógico que cresci com Roberto Carlos no Vinil, e brincava de achá-lo brega na adolescência, mas hoje, vejo que muito do Rei cabe em mim. Roberto Carlos me faz ter vontade de chorar, de entregar a minha alma num papel. Roberto Carlos me deixa sensível, poética e é claro, me faz ficar apaixonada: pela vida! Roberto Carlos, eu te considero, bicho!
Escolher cinco canções exigiu que eu sentasse e parasse pra pensar, porque ele realmente combina com coisas que já me aconteceram, ou com coisas que eu sonhei que aconteceriam, ou quiçá, um dia aconteceram. Mas antes que eu confunda ainda mais esse post, vamos lá Top 5 Rei Roberto por  Deise Duarte:

5- Quero que vá tudo pro inferno
Novela Vamp. A top das novelas de vampiros. #fato. E essa música, deliciosa brincadeira com trocadilho de palavras. Um dos primeiros poemas que eu fiz (oi, eu fazia poemas) trazia exatamente essa gostosura de inv(f)erno, inspirada no Rei. E o "Tudo mais para o Inferno" cai bem pra todos nós não é mesmo? Imagine o que é uma criança poder falar "inferno" sem ser reprimida? Roberto colocou um palavrão ali para salvar as pobres criancinhas que não podiam falar "vai te fuder", ai diziam "vá pro inferno". Uma graça!

De que vale a minha boa vida de playboy
Se entro no meu carro e a solidão me dói
Onde quer que eu ande tudo é tão triste
Não me interessa o que de mais existe
Quero que você me aqueça nesse inverno
E que tudo mais vá pro inferno
Não suporto mais você longe de mim
Quero até morrer do que viver assim
Só quero que você me aqueça nesse inverno
E que tudo mais vá pro inferno
Oh, oh,

4- Como vai você
É óbvio que me lembro da piadinha sobre "o melô dos fofoqueiros", mas me comove com o jeito de implorar notícias. É aquela coisa, a pessoa te chutou, você queria estar ali amanhecendo ao seu redor mas se não pode, queria saber pelo menos como ela está. E eu gosto da frase Não sei se gosto mais de mim ou de você porque é ingenua, seguida do preciso tanto me fazer feliz que me aparece extremamente egoísta. Falando nisso: Como está você? Eu acho uma canção triste por demais, e é lógico que já ouvi algumas vezes pensando: é hoje que eu acabo com essa VDM!

Como vai você ?
Que já modificou a minha vida
Razão de minha paz já esquecida
Nem sei se gosto mais de mim ou de você
Vem, que a sede de te amar me faz melhor
Eu quero amanhecer ao seu redor
Preciso tanto me fazer feliz
Vem, que o tempo pode afastar nós dois
Não deixe tanta vida pra depois
Eu só preciso saber
Como vai você

3- Detalhes
Esse é um clássico. Eu sou o máximo, o gostosão. Vc pode pegar geral, mas eu estarei ai, quando você acordar do lado desse magrela loira e horrorosa. Eu gostaria de cantar essa música pra cada pessoa que já morou no meu coração (oi, eu sou bichinha mesmoooo!) e é claro, de ouvir de certos amados amores que hoje já não passam de "detalhes" de uma boa vida vivida.
Detalhes é a Música, que me faria grita Lindoooooo num show do Roberto Carlos.

Detalhes tão pequenos
De nós dois
São coisas muito grandes
Prá esquecer
E a toda hora vão
Estar presentes
Você vai ver...

2- A volta
Eu acho bonito imaginar que alguém poderia guardar todas as coisas boas para dar a outra pessoa. E o melhor é imaginar que esse alguém poderia ser essa fofurinha aqui. Eu me emociono com a letra dessa (MESMO) porque combina com alguns fatos importantes da minha vida. Preparação, reconstrução, e sabe... são tantas emoções... eu diria que "A volta" é um verdadeiro presente do Roberto Carlos pra mim. Ele sabia que algum dia essa canção ia servir pra uma garotinha confusa, com medo e assustada pensar no que realmente vale a pena. Alguém guardou pra mim tudo o que tem de bom. Isso não é lindo? Oinnn!


E agora que está perto
O dia de você chegar
O que há de bom
Vou lhe entregar...
Só vejo a hora
De você chegar
Para todo o meu amor
Poder mostrar
Mas quando eu
De perto te olhar
Não sei se vou
Poder falar...

1- O portão
Escutei essa música quando tinha uns oito anos de idade e chorei. Eu não entendo até hoje porque, mas é a música do Roberto que mais me emociona. Eu não sei se eu vou pra algum lugar, mas se um dia eu for, cantem essa música no meu regresso. Ele relata a volta de um modo primário, e acho que essa ingenuidade me encantou, desde os oito anos de idade.
Hoje, ela me cabe quando fico no meu cantinho, no meu infinito particular, onde ninguém me toca e nem alcança. Acho que é o único lugar onde estou sozinha, e posso depois disso voltar pra casa, onde braços abertos me abraçam e realmente podem encontrar. E eu chorei agora, escutando ela pra decidir se ocupava o Topo das minhas canções. é, ocupou!

Tudo estava igual
Como era antes
Quase nada se modificou
Acho que só eu mesmo mudei
E voltei!...

Eu parei em frente ao portão
Meu cachorro me sorriu latindo!

E agora que o cachorro me sorri, sorriam vocês também fazendo uma lista das Tops do Rei pra vocês. Me divertiria muito em ver a @silvinha666, @cdiurno, @priscilaadv, @lipecasagrande e @milora_  fazendo isso. E quem resolver fazer me avisa, porque Roberto me dirá muito sobre vocês, tenho certeza!
Related Posts with Thumbnails