quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

9 Em 2010 eu vou...

Não vou fazer porra nenhuma. e é isso! Não sei se vocês acham que vão mudar suas vidas no "ano que vai nascer" mas eu só queria virar uma versão magra, moderna e sem cabelos brancos de Dorival Caymmi. Também poderia ser algo tipo minhas clientes, ser uma perua sem noção mais preocupada com o cabelo do que com a minha própria mãe. Ou então, eu queria virar homem em 2010 pra poder ter barriguinha e ainda assim ser sexy.
Em 2010 o que vai acontecer pra mim vai ser bom. Tenho certeza, mas se tudo der errado vou fazer um testamento no próximo post pq não quero ninguém brigando pelos meus livros rabiscados.
Em 2010 eu vou ser light, relax, legalzinha. Vou beber mais, comer menos, ficar menos no orkut, ver menos televisão, ler os livros clássicos e não me incomodar com as pessoas que são tão vasilhas que deveriam morrer. Peço apenas que nossa senhora da bicicletinha, me dê equilibrio pra aguentar essa gente que ainda acredita que "daqui pra frente tudo vai ser diferente" mas que não muda nem a maneira de guardar o lixo.
E em 2010, eu vou ser o que sou desde 1985. Uma pessoa decente. Ou não.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

5 Querido papai noel

Sempre achei que você fosse um velho lesado, que não ia muito com a minha cara. Mas esse ano, quero dizer que você subiu no meu conceito. Tá que eu também fui uma lady o ano todo, e fiz da bosta de 2009 um dos anos mais incríveis da minha vida, mas você, ah...você Papai Noel, foi só bondade comigo nesse Natal.
Eu já tinha perdido as minhas esperanças quando escrevi isso mas algo dentro de mim dizia que alguém que se preocupa tanto com o modo como apara e descolore a barba, deveria se preocupar um pouco comigo também.
Papai Noel, esse ano de 2009 foi uma coisa muito, muito louca. Não fiz merda nenhuma das quais tive vontade e me comportei muito bem. Não matei, não roubei, não me prostitui, não desejei a mulher do próximo (não, não mesmoooo) e não paquerei nenhum cliente gato. Na verdade, não paquerei ninguém por que eu sou uma mulher casada e de respeito e como o Senhor já deve saber, mulheres casadas não podem ficar paquerando por ai. E gorda do jeito que eu andava, nem que eu quisesse muito.
Outra coisa que deve ter dado muito orgulho para o seu Noel é que eu investi todo o meu dinheiro num empreendimento que me dará lucros futuros e para isso deixei de comprar um monte de blusinha bonita e de sapatos Maravilhosos. Minha bolsa ta até meio rasgada, mas eu resisti a vontade de comprá-la porque acredito que num futuro próximo vou poder comprar uma Victor Hugo que não seja da 25 de Março.
Eu fiz de tudo para ter uma vida boa e decente em 2009, mas o que mais me alegra e que você atendeu a minha cartinha do ano passado.
Logo, minha carta desse ano é para dizer que eu gosto de você agora papai noel, e que se você não estiver muito ocupado engraxando as suas botas tão perfeitas e negras, poderia vir me visitar depois que o seu presente finalmente me for entregue. Se você vier, prometo fazer nescau quente e te entregar bolachas no pacote, porque as que eu e os meninos deixamos no prato na noite de natal ficam moles até a hora que você chega, eu sei.

Obrigada por ter sido tão legal comigo, e saiba que em 2010 eu aproveitarei muito o seu presente tão generoso.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

3 Olhos quem vêem com mágica

Minhas lembranças natalinas têm gosto de chocolate.
Não de chocolates comuns, dos que compravámos no supermercado quando meu pai fazia "rancho", mas de chocolate derretido, esmagado no bolso da bermuda vermelha. O chocolate que lembro quando penso no natal era partilhado, era dividido.
Nos não éramos crianças pobres, mas não era muito que sobrava. Porém o que faltava não era sentido,afinal não fazia sentido reclamar da falta de coisas que nem sequer conhecíamos.
O que sobrava a gente dividia. E ai, entram os chocolates derretidos.
Esperávamos o ano todo por um presente especial. Não nos atrevíamos a pedir antes do Natal. O bebê da estrela, o relógio, a bicicleta e o vídeo game chegavam sempre carregados pelo bom velhinho.
Minha mãe não era boba. Nunca disse que se eu pedisse com fé o papai Noel viria. Ela dizia que o papai Noel tinha uma conta no banco e que ela fazia um depósito identificado e ele comprava o que desse com aquele dinheiro, logo, minhas ambições natalinas eram correspondentes ao orçamento de meus pais.
Porém, a dedicação deles em tornar o natal um tempo lindo tem marcas eternas em mim.
A árvore era natural e não dessas verdes e brancas com cheiro de plástico e pó. Fazíamos um recorte de grama no jardim e a grama era “plantada” na sala de Tv. Bolas coloridas, cartões e desenhos produzidos na escola, pisca-pisca que piscavam e outros que não enfeitavam a árvore. Eu e meu irmão nos juntávamos a ornamentação da árvore, enquanto nossos pais se ocupavam da limpeza da casa e do jardim.
Passávamos dezembro devaneando sobre o que nos estaria reservado na mágica noite do natal e quando o dia 24 chegava, separávamos capim e água para os “cavalinhos” do papai Noel.
Na manhã de 25 acordava extasiada e ali, embaixo da árvore moravam os nossos sonhos: um bebê da Estrela, um relógio, a bicicleta ou o vídeo game... era tão bonito quando nos encontrávamos com nossos presentes e agradecíamos ao “menino Jesus” por ter dado dinheiro pra mãe poder dar pro Papai Noel...
Eu não tenho mais oito anos de idade, nem acredito em Papai Noel, mas acredito em árvores coloridas, grama plantada na sala de casa, sonhos que se realizam no tempo certo e em pais que deixam em seus filhos inocentes gestos que significam amor.
Hoje, eu espero que dia 25 chegue logo, para colocar logo os presentes embaixo da árvore, para ver a caneca com leite até a metade, e os biscoitos mordidinhos pelo bom velhinho... e é claro, para voltar a uma rotina normal, de quem trabalha só oito horas por dia. =)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

6 Quem mandou não estudar?

Mamãe dizia: Filhinha, estuda para ser alguém na vida quando crescer.
Mas eu me interessava muito mais em ter amigos inteligentes para fazer trabalho junto do que em estudar. Me concentrava muito mais em fazer bichinhos de nomes e brincar de sapino do que estudar. E ai, deu nisso. Tô aqui, mais uma vez.
É o quinto ano seguido que eu reclamo do horário de natal, das músicas de natal e das clientes malas de natal. É o quinto ano seguido que eu torço para que dia 25 chegue depressa, pra ver se esse bando de gente louca volta ao normal.
Porque se normalmente já atendo um monte de maluco, imagine agora, que todos querem ficar bonitos para esperar o papai noel.
Hello Pessoas! papai noel é gordo, velho, barbudo e meio cego ele não ta nem ligando para seu cabelo, então, relaxe!
Para tentar suportar tudo isso, vim trabalhar de Havaiana.
Acho que quem ta ficando maluca sou eu!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

5 Minutos de Sabedoria

Como o horário de natal é capaz de atacar até mesmo uma mente brilhante, imagine o que fez com o que resta de cérebro nessa pobre coitada?
Sem inspiração, decidi dar um CTRL-C / CTRL-V num e-mail que me faz ver a vida de um modo muito mais interessante. Inclusive, me faz entender porque eu não sou uma atleta. Vai lá:

Por que será que é mais fácil freqüentar um bar do que uma academia?
Para resolver esse grande dilema, foi necessário freqüentar os dois (o bar e a academia) por uma semana.
Vejam o resultado desta importante pesquisa:
Vantagem numérica:
- Existem mais bares do que academias.
Logo, é mais fácil encontrar um bar no seu caminho.
*1x0 pro bar.**
Ambiente:
- No bar, todo mundo está alegre. É o lugar onde a dureza do dia-a-dia amolece no primeiro gole de cerveja.
- Na academia, todo mundo fica suando, carregando peso, bufando e fazendo cara feia.
*2x0.**
Amizade simples e sincera:
- No bar, ninguém fica reparando se você está usando o tênis da moda. Os companheiros do bar só reparam se o seu copo está cheio ou vazio.
*3x0.*
Compaixão:
- Você já ganhou alguma saideira na academia?
Alguém já te deu uma semana de ginástica de graça?
- No bar, com certeza, você já ganhou uma cerveja 'por conta'.
*4x0.*
Liberdade:
- Você pode falar palavrão na academia?
*5x0*.
Libertinagem e democracia:
- No bar, você pode dividir um banco com outra pessoa do sexo oposto, ou do mesmo sexo, problema é seu...
- Na academia, dividir um aparelho dá até briga.
*6x0.**
Saúde:
- Você já viu um 'barista' (freqüentador de bar) reclamando de dores musculares, joelho bichado, tendinite?
*7x0.*
Saudosismo:
- Alguém já tocou a sua música romântica preferida na academia? É só 'bate-estaca' , né?
*8x0.*
Emoção:
- Onde você comemora a vitória do seu time?
No bar ou na academia?
*9x0.*
Memória:
- Você já aprontou algo na academia digno de contar para os seus netos?
*10x0 pro BAR!!!**
Portanto, se você tem amigos na academia, repasse este e-mail para salvá-los do mau caminho!**

PS: Você já fez amizade com alguém bebendo Gatorade???

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

7 Um só sorriso amarelo

Estava sentada sobre as mãos, como sempre fazia quando estava cansada demais para fazer outra coisa, ou triste demais para levantar e encarar o mundo, ou desencorajada demais pra dizer algo.
Sentada sobre as mãos se sentia presa, como estava naquela situação há tanto tempo que nem lembrava mais.
Não gostava de pensar que tinha perdido seu tempo, afinal via a vida como oportunidades singulares e não ficava parada. Penteava os cabelos vendo TV, tomava banho ouvindo música e escovava os dentes lendo. Não admitia que os minutos se esvaíssem sem ter aproveitado dele os sessenta segundos.
Sonhava acordada, mas seus sonhos estavam em poucas cores, com uma luz amarela. Amarelo como o seu sorriso sarcástico, ou não.
E ali, em cima das mãos já dormentes, como estava a sua mente, esperava que algum milagre a libertasse de todo o medo que ecoava no silêncio da sala fria.
Já tinha perdido tempo demais, porém era inevitável perder mais três minutos tentando organizar a bagunça que estava na sua cabeça.
Mordeu os lábios e sorriu lembrando de momentos que tinham significado alguma coisa. Cerrou os olhos tentando não pensar no milhão de besteiras e loucuras que fez por esses momentos.
As cartas e os presentes estavam todos ali, guardados em um lugar escondido, mas suas lembranças por mais que tentasse esconde-las apareciam na mente com uma freqüência inexplicável. Lustrava as lembranças todos os dias, para que nenhum detalhe se perdesse. Queria preservar cada ruído para não ter necessidade de buscar mais.
Levantou, e escreveu. Guardou o bilhete onde guardava todos os outros. Lembranças que não deviam ser conhecidas. Memórias que não mereciam ser guardadas.
Ela desprendeu as mãos. Mas a alma ainda estava acorrentada.
E aquela luz amarela, disfarçava o seu sorriso quase honesto.
Ela chorou baixinho e jurou que seria a última vez.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

5 Conceito de amizade

Ontem a noite o Rafael me contando sobre seu dia: "Mãe, ontem a hora que eu cheguei na escola o Bruno tava descascando um chiclete, ai quando ele me viu chegando partiu o chiclete no meio e me deu um pedaço. Ele é mesmo meu amigão ne mãe?"

É um resumo simples, mas digno.
Amigo é aquele cara que divide um chiclete, compra canecas com bombons, te organiza uma festinha surpresa com velinhas que abrilham.
Amigo é alguém que te deixa triste, parecendo esquecer do seu aniversário, mas depois te leva para beber cervejas e paga a conta pra ti.
Amigo que é amigo te deixa trocar de roupa para não ficar muito pelega nas fotos.

Minhas amigas que me dão muito mais do que chicletes e cervejas... obrigada!

sábado, 28 de novembro de 2009

10 E Deus disse, desce e arrasa!

Hoje fazem 24, do meu dia 28.
Ai eu que sempre achei que sou a vergonha da minha família e a queridinha dos meus amigos me surpreendo.
O telefone tocou menos do que nos 23. Mas a sinceridade das palavras me tocou mais do que em qualquer ano.
24 e minha mãe diz: "Nunca vi as estrelas saudarem o nascimento de um bebê como saudaram a sua chegada"
24 e meu paidrasto escreveu: "tu fostes o primeiro amor, eu ja te adorava mesmo antes de conhecer a mamae, teus dias serão repletos de muita prosperidade, amor e amizade disso eu tenho certeza pois foi Deus quem te enviou a nós , familares e amigos ainda lembro a frase, "o pai ta de papato novo". filha tenho orgulho da pessoa que te tornaste parabens minha menininha te amo .pai"
24 e eu tô aqui, chorando feito um bebê.

Foi num 28 que Deus disse desce e arrasa.
E fazem 24 que eu cumpro o que me foi profetizado num 28. To arrasando, fazer o quê?

A estrelinha da mamãe, a menininha do papai, a De do Maelzinho, a Mãe do Rafa e do Nick e a Deise do salão hahaha.

E hoje, nada no mundo tira o sorrisão bobo e novo da minha cara.

=**
Aceito presentes, e-mails, recadinhos no orkut, twittadas especiais e msg do celular sem moderação! =)

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

6 Repertório de Shopping fode com o meu saco

Talvez, se eu fosse homem, achasse isso bem legal. Mas como saco é utilizado no sentido de paciência (afinal, é o único tipo de saco que eu tenho) não é nada, nada legal.
Esses dias descobri que no sagrado condomínio do mês é pago um salário para uma nutricionista que eu nunca vi, não conheço e nem sei se existe(deve ser aquelas funcionárias fantasmas saca?). E pensei: Mais bem empregado seria pagar um Dj que colocasse umas músicas mais pop, e que variasse um pouco os sons. Porque eles devem dar play na mesma lista de canções todos os dias e nelas inclui até uma música do Calypso, e uma música que eu não sei quem canta, mas é a versão nacional daquela "Rauuuuul".
Em novembro e dezembro o que já era ruim, fica ainda pior.
Aliás, alguém sabe o que "Sambalalê" tem haver com Natal?
Eu sou uma pessoa legal, paciente, boazinha mas não venha me enxer o saco com "Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel" e outras coisas parecidas durante oito horas por dia. Gentem, que apelação!
Não que eu não goste de natal. Sou o tipo de pateta que acha que todo mundo fica mais feliz quando vê as luzes que acendem, apagam, acendem, apagam. Deliro com as arvores e aqueles enfeitezinhos que lembram a fábrica de brinquedos do papai noel e até acho que as pessoas ficam mais boazinhas nessa época do ano.
Mas as musiquinhas de natal, me fazem quase mudar de idéia.
Já imagino as manchetes de 26 de dezembro: D.A.D, 24 anos (porque depois sábado, vai ser 24!) é acusada de ter espancado o bom velhinho. Testemunhas dizem que enquanto praticava o ato, a jovem cantava "jingle bells" e sorria de modo estranho. Até agora ela não prestou depoimento pois estava trancada no shopping onde trabalha feito rena em véspera de Natal.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

6 Portão eletrônico

Sempre sonhei em ter um portão eletrônico, porque eu achava muito chique quando eu ia na casa das minhas tias ricas e os meus primos melequentos não precisavam descer do carro pra abrir portão. Porque lá em casa era assim;o pai parava o carro e já ia intimando Deise CORRE e vai abrir o portão. Nunca era meu irmão empalamado, porque ele sempre tava empalamado e era o bebezinho da casa (até hoje com 21 anos),sempre eu que tinha que abrir a porta da frente do chevette, me torcer em cima do banco e com minhas dificuldades em ficar em cima de minhas próprias pernas, correr para abrir o portão era algo praticamente impossível, ou resultante em joelhos ralados.
E então, agora que eu sou uma empresária (eô eô) e que o dólar ta em baixa (e o que o dólar tem com isso???) eu moro numa casa que tem um lindo portão eletrônico. E acho um saco.
A gente enfia o controle no cu nariz e as pessoas ficam feito desesperadas gritando no portão, buzinando como se o mundo fosse acabar. Calma gentem, é só em 2012!
Ou então, eu quero fugir de casa porque tô de TPM,e ai meu marido esconde o controle só para me ver tentando pular a cerca.
E tem também os dias que saio de casa pra voltar de madrugada e não queria dizer pro marido que hora eu to chegando, ai ele desliga o portão da tomada me obrigando a ter que telefonar pra ele depois que venho da putaria do trabalho.
Então, vem os dias de chuva, e confortavelmente eu abro o portão sem descer do carro, e fico feliz de novo com o meu brinquedo eletrônico (Não esse PutzCri... Sei bem o que pensaram!) e paro de reclamar.
Quando o cachorro prende a cabeça no portão eletrônico eu também fico feliz, meu lado sádico grita nessa hora.haha

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

3 Sabedoria do orkut:

Não faz sentido dividir as pessoas em boas e más. Pessoas são apenas encantadoras ou monótonas.

Eu sempre fico rindo do que o orkut diz na Sorte de hoje, mas hoje a frase me surpreendeu e eu pensei: Que eu não seja uma pessoa monótona. AMÉM!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

2 Essa noite...

Sonhei contigo, mas acho que não era tu. Porque era a tua voz, dizendo coisas que eu sei que tu jamais diria, pelo menos não pra mim.
Sonhei e acordei agitada, pensando em porque sonhar com coisas tão sem sentido assim.
Li em algum lugar que o sonho pode ser fruto da privação (quem ta de dieta sonha com comida/ quem tem frio sonha com uma praia), então acho que eu sonhei contigo porque não te vejo, e com todas aquelas frases porque tu nunca as disse.
Ai eu me lembrei que uma vez eu sonhei que tava numa lagoa e fiz xixi na cama.
E isso é mais importante do que simplesmente sonhar com alguém que nem existe, eu que inventei, de boba que sou...
Não a parte da fazer xixi, mas a parte de lembrar de alguma coisa que não tem nada haver, mas eu queria contar.
É isso, eu queria contar pra alguém que uma vez, eu fiz xixi na cama e não que eu tive um sonho estranho, com gosto de briga, ira e rancor. Sentimentos que não combinam comigo =)

terça-feira, 10 de novembro de 2009

11 Promessas de fim de ano...

Comecei 2009 com 83 quilos.
E eu que já não gosto muito de números (idade, contas pra pagar, calçado 40) comecei a enfrentar a difícil arte de comprar jeans. Entrei no famigerado 44.
E quando você pede um jeans 44 e a vendedora diz: “44 não vai dar Querida”, cria-se uma espécie de pânico do gordo porque você percebe que a vendedora grita “44 não”, como se isso fosse preciso... todo mundo na loja já percebeu o tamanho da sua bunda, ela não precisa alertar ninguém pra isso.
Ai, com um quadril do tamanho de uma criança de cinco anos eu comecei a odiar a mídia, odiar as modeletes, odiar as minhas amigas, odiar as vendedoras de jeans e o meu marido. Porque eu sei que lá no fundo todos riam quando olhavam aquela “coisa” que eu tinha me transformado. (É que além de gorda eu tenho uma imaginação fantástica, saca? Minha mente é tão bem alimentada quanto meu estomagosacodedezquilos.)
Só que meu ódio não modificava em nada aquela barrigadenóstudo e nem a cara das pessoas quando me encontravam na rua “O que aconteceu contigo?” ou os super simpáticos “Tu é tão bonita, é alta..devia emagrecer um pouquinho...” Como se emagrecer fosse assim: Eu quero emagrecer. Mas é. Gente é mesmo. Só que precisa querer muito, tipo, precisa super querer. Precisa querer tanto, tanto que só um ex gordo sabe...
E eu bem que queria, mas não muito... Se tivesse um pouco mais de garra, de força de vontade e de vergonha na cara encerraria 2009 com o peso programado em março. Mas não deu... Sucumbi-me a rodízios de pizzas, X-saladas e churrascadas sem fim. As latas de nescau do armário venceram os pesinhos da academia, e meu travesseiro assumiu o lugar do step.
Não cheguei nos 67 por preguiça mesmo. Tenho muita vergonha disso. Mas também me orgulho dos 8 quilos eliminados com academia e dieta. Fizeram muito bem ao meu corpo e a minha auto estima.
Hoje eu peço um jeans 42 grande. Já não me sinto mais o ponto de referencia (lá do lado daquela gordinha!) e nem tenho medo que meus filhos se envergonhem de mim. No começo do ano, cheguei a pedir pro meu marido levar nosso mais velho pra escola, para que seus amiguinhos não fizessem nenhuma piadinha com ele. Parece exagero, mas para quem está dentro da situação (ou de uma quase 46) não é.
E agora, eu preciso emagrecer mais rápido, porque certo bilhetinho colocado na geladeira no começo de 2009 será fato. E por causa da falta de tempo, remedinhos me ajudarão a colocar mais 6 quilos pra fora até dia 06 de janeiro.
E em 2010 eu vou ser 40.
E mesmo odiando os números, esse me dará orgulho: Um jeans, 40 sem lycra, por favor!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

02:29 da manhã, eu estava lá dormindo meu sono reparador da beleza (e não digam que não há o que ser reparado) quando toca o telefone. Ligação a Cobrar de madrugada me dá pânico.
Atendo e uma voz desesperada chora do outro lado: Mãe, tem um ladrão aqui em casa. Me ajuda mãe.
Eu, com voz de TODESESPERADAMESMO: O que que ta acontecendo? Me diz?
Eles querem dinheiro Mãe!
Mas eu não tenho dinheiro.
Eles vão me matar mãe!
Então Morra queridinha, porque eu não tenho filha!

A ligação deve ter custado uns R$0,40 centavos, mas sacanear a bandidagem NÃO TEM PREÇO!
Fico com muita, muita raiva dessa gente cheinha de saúde, com mentes super inteligentes e que querem ganhar a vida na moleza.
Depois disso, obviamente não consegui dormir.
Fui no quarto dos meninos e fiquei feliz ao vê-los dormindo como os anjos que são, guardados pelo meu amor de mãe.
Fiquei lendo e pensando comigo "Se usassem essa esperteza toda pro bem..."

Uma semana bem boa pra gente =)

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

13 No shopping Pórtico...

Na Placa escreveram: Área reservada para Atacado.
Rafael, oito anos pergunta: O que quer dizer Reservado para atacado, mãe?
E eu, com muita convicção respondo tudo com sabedoria: Ali, só pode comprar quem é nervoso. =D

E viva as respostas imbecis que a gente dá pra esse menino... Se depender das nossas informações será um gênio.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

6 Com o calor dos últimos dias:

Descobri que não, eu não posso ir morar no Nordeste porque muito provavelmente ficaria largada numa cama(ou rede), e deve ser verdade que os baianos são vadios, partindo do principio que na Bahia é calor e o calor deixa a gente muito lerdo das ideias. Descobri também que AMO cerveja, AMO caipirinha de vodka e AMO batidinha de maracujá, mas continuo tendo como bebida favorita Sprit e Coca Zero. Na verdade, com esse calor amo qualquer coisa gelada!
Meu senso de moda piora consideravelmente no verão, porque não há sentido em estar bonita se não estar bem fresca (no bom sentido da palavra).
Eu estou pensando que já está chegando o natal, e isso é horrível. Eu gosto do natal, das cores, das comidinhas, dos encontros deliciosos com aqueles que amamos muito, mas eu ODEIO as musiquinhas do shopping que serei obrigada a ouvir por mais de 45 dias. Matarei o Papai Noel se esse ano não comprarem um CD novo pra cá. Só de pensar me da medo!
Eu sinto menos fome no verão, e agora com a ajuda de remedinhos mágicos e caminhadas matinais, estarei finalmente pronta para a compra da famosa barriga nova.
Ui, ui, ui... esse verão ficarei feito mumia, mas em 2011...Pedro Bial que me aguarde!

Mas que viajo pro Nordeste, ah, viajo!

sábado, 31 de outubro de 2009

4 Deise Duarte, boca de jacaré

Julgue como quiser meu sentimentalismo barato, minha impossibilidade de guardar na boca ou no coração as minhas insatisfações e alegrias insanas. Considere meus conselhos como desatinos e minhas experiências como bobagens. Faça o que quiser com as informações que lhes dou, porque ninguém é obrigado a achar engraçado, ou trágico, ou nojento ou invejável ou qualquer coisa sobre as coisas que eu digo. Não pense que digo todas essas coisas (sejam ‘essas’ quais forem) para que causar qualquer tipo de sentimento. Eu digo por que preciso dizer, e pouco me importa o que alguém vai pensar. Eu digo por que a fala está em mim. Como sentido mais aguçado, evoluído está a fala.
Eu poderia falar menos, mas não me interessa guardar todas essas coisas. São informações inúteis, mas eu necessito compartilhar. É como um amontoado de vazio, um espaço onde nada se pode pôr a não ser sorrisos, lágrimas e um chocolate.
Eu não quero me preocupar em como vêem a maneira que me expresso, o que eu preciso é de expressão.
E essa liberdade de falar pelos cotovelos sendo chorona, exagerada ou imbecil me faz feliz. Não que eu não escolha quem vai me revelar. Todos sabem do que não precisa ser escondido, e há as coisas que só quem merece vai saber.
E é claro que existem as pessoas que me fazem falar sem que eu queira, como numa magia muito louca, me fazendo entregar fatos que eu devia guardar pra mim.
Nos momentos mais dificeis, nas horas mais confusas eu falo, pelo simples fato de falar. Me faz leve retratar as minahs tragédias, e se quem ouve é alguém que pode ler-me de boca fechada, ai fica mais fácil ser entendida.
Nos últimos dias, eu conversei com pessoas que realmente podem me ler, entender e decifrar mesmo que eu não fale nada, mas é justamente com elas que eu não consigo manter a boca fechada.

Um beijo especial para Silxata que me alegrou com o sotaque mais lindinho do Brasil, para Maria Juliana, dona do Brechó mais pop do país presenteadora de souveniers (é assim que escreve chaveirinho de torre Eifel e imã de geladeira de Paris?), para as Juliana's aniversariante da semana que passou, pro meu pai, pra minha mãe e pra você.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

14 O tempo me fez mal...

E não me refiro aos pés de galinha, gorduras localizadas ou as celulites na coxa.
Minha melhor amiga fez aniversário e eu não a encontrei. Na verdade, é até estranho chama-la minha melhor amiga, considerando o tempo que não nos vemos.
Na verdade, a gente se vê, mas a gente não se encontra. Tomamos café juntas, mas são aqueles papos de café, não aqueles papos de melhores amigas que a gente tem nos últimos tempos. Nos tornamos aquele tipo de amigas normais, que falam sobre coisas banais e se dão ao direito de sentir saudades.
E eu, que acho uma bobagem sentir saudade de quem mora perto, me mordo de saudades dela.
Mandei uma mensagem a meia noite, liguei as oito da manhã. Mas não tive a felicidade de beijar e abraçar aquela minha amiga tão especial.
E parece superficial mandar mensagem e falar ao telefone. Você pode fazer isso até por seus clientes! Não deve ser assim com alguém que faz parte da sua alma, da sua história.
Eu deveria ter levado ela para almoçar num restaurante charmosinho, e terminar fazendo uma ilustre apresentação de foca contente e satisfeita. Depois entregar o meu presente, escolhido com todo o amor do mundo, junto com uma carta melodramática que mais parece uma carta de suicída. Eu devia ter convidado minha amiga para um vinho, e ficar bebendo o gelo da caipira estalando e fazendo ela sentir vergonha.
Eu devia ter dado mais um beijo e feito um coraçãozinho com as mãos quando desci do carro dela.
Mas agora eu sou gente grande, não tenho tempo pra essas coisas.
Ano que vem, quem sabe eu ache.
Eu odeio não ter perto, ela, elas e todos aqueles que me são importantes e especiais.
Ah, se eu pudesse ter doze anos, e ir pra escola de ônibus, sentar na grama durante o recreio e dividir Pipocas Beija Flor enquanto faço tranças em cabelos longos e lisos.
Se eu tivesse doze anos, eu não iria perder meu tempo tendo um amor. Viveria apenas para ter um milhão de bons amigos. Ou dois.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

7 Magia!

Eu nunca fui uma boa apreciadora de artes. Nos tempos de escola, gostava mesmo era de português. Os livros sempre foram o que eu chamava de obra prima. Não os riscos de Picasso, ou a bagunça toda de Van Gogh. Obra prima era letra organizada.
Nesse fim de semana, portanto, fui relembrada de uma arte que sempre me comoveu: a circense.
Ir ao circo com a desculpa de levar as crianças foi algo tão gostoso e eu ali, com cara de "oi? eu tenho doze anos".
A apresentação do Circo Italiano não foi lá essas coisas. Faltou o mágico que para mim é a melhor parte do circo, os palhaços eram fraquinhos, mas sentada ali, na primeira fileira, com um algodão doce na mão e a mão do filho na outra, eu vibrava com as luzes no picadeiro.
Talvez as pessoas não entendam o porque de eu ainda me emocionar com um espetáculo tão manjado como o circo, mas no fundo, é a minha falta de habilidade com o corpo, com as expressões faciais e em fazer rir que me faz babar sentada na arquibancada.
Com algodão doce, maçã do amor e risadas infantis por todo o lado.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

18 É meu direito!

"É meu direito Tirar o pó e lavar toda a roupa suja. Pôr todos os móveis no lugar e sacudir os tapetes com verocidade.
É um direito meu limpar as retinas e tirar dos olhos essa cor que não os pertence de modo geral. É direito abrir essas janelas da alma, que tem os vidros sujos pela fumaça que sai da boca doce.
É um direito meu, quebrar todos os copos que tem as bordas lascadas e jogar no fogo esses bilhetes mal escritos e mentirosos.
É um direito meu chorar até me acabar, e depois rir da minha cara amarrotada no espelho.
Sim, é um direito meu negar que tudo isso esteja mesmo acontecendo.
Se eu quiser mentir pra mim, eu também posso."

Olá blogueiros do meu coração! Meus vinte cinco mil, quatrocentos e dezesseis leitores diários não entendem meus últimos posts, mas eu gostaria de dizer que vocês não precisam entender, nem concordar comigo, e nem comentar se não quiserem (mas se não comentarem eu me mato Buaaaaaa).
É que eu sou mesmo assim sentimental. E quando algo me machuca (e eu sei que nessa hora o pessoal do PutzCri ta pensando em sadomasoquismo) eu sofro mesmo. Eu choro tudo que tenho que chorar, esbravejo e soco a minha própria cara. Tomo todos os comprimidos para dor de cabeça que tiver em casa (e isso me faz pensar que tenho um gatro morando no meu estomago) e ponho para tocar os piores CDs do mundo (Tipo, sertanejo! Ta, ta mentiraaaa...to exagerando pra vcs verem que to no fundo do poço). Eu sofro quando algo me faz sofrer, não porque gosto que seja desse jeito, mas porque não vejo outro modo de ser.
Entenderam ne?
Então, mesmo que vocês odeiem essa papagaiada bicha que eu escrevo quando perdida de dor, não me abandonem! Eu conto com vocês para rirem da minha desgraça, e se desejarem realmente deixo vcs verem como eu fico depois de chorar: Com certeza ninguém nunca mais vai reclamar da sua própria aparência.

E para alguns o blog tem utilidade, eu só uso para futilidades mesmo!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

11 Malditos vestidos pequenos!

Eu não sigo a moda, tenho meu próprio estilo. Frase de gente brega. Oi?Eu sou brega. Quem me conhece sabe disso. Eu tenho medo da moda. Para mim as coisas devem ter o seu devido lugar: sandália combina com bermuda, e bermuda não combina com meia calça. Lenço é uma coisa usada para limpar nariz e não adianta que não fica bem no meu pescoço. Franja eu uso no cabelo e não na bota.
Nada contra. A maioria das pessoas que me relaciono são amigas da moda,e a moda é amiga delas também. Elas acordam de manhã e um vestido rosacheguei sai do armário, acompanhado de uma sandália branca salto agulha e uma meia risca de giz. E combina! Elas estão de bem com a moda e ai, podem vestir sapatos amarelos com blusas verdedoiozoio e ficam deslumbrantes.
Mas eu penso que tem coisa que fica bem na manequim da vitrine, na modelo do Fashion Week e em mim simplesmente não acontece.
Acho lindo. Sonho em ser perua. Queria comprar um scarpan de verniz vermelho, com salto agulha e usar com uma bermuda de cetim e uma meia arrastão ou daquelas xadrez, e me sentir linda, mas de verdade, não dá. É abusar da minha falta de senso do ridículo.
Antes eu culpava os quilos extras, mas agora já não sobram tantos quilos assim, então só me resta culpar a minha falta de roupas, mas bem no fundo eu sei, é falta de senso de moda mesmo.
Mas se alguém me perguntar por que eu não sigo a moda, vou dizer sempre que tenho meu próprio estilo.Capaz que vou revelar a mais alguém o quanto eu sou brega.
E vocês não contem pra ninguém que os vestidos de festa são pequenos e me deixam barriguda. O problema é do vestido, jamais meu.
O problema é dessa moda, de gente anorexica.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

6 Alguém poderia...

Fazer o favor de me emprestar uma arma, me arrumar barbitúricos, me dar giletes afiadas ou simplesmente me ensinar a lidar com a dor e desespero?

Porque quando não se sabe o que fazer o melhor deve ser não fazer nada, mas eu sou passional demais para fingir passividade.

Ódio!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

14 Compras básicas...

Imaginem que a vida é linda e frufruzenta e cor de rosa, bem bicha fluorescente? E por mais que as pessoas queiram te deixar na merda você continua sendo uma idiota hipócrita e extremamente feliz?

Agora imagine que um dia você resolva cair na real e dar um "pretinho básico" na sua vida.
Os dias mais cinzas apareceram quando eu não estava disposta a enfrentar nenhuma tempestade. Me sentia fragilizada em vários sentidos, inclusive fisicamente.
E o que eu fiz para arrumar essa vida ingrata? O que qualquer mulher normal faria: Fui às compras!
Desculpe decepcionar as mulheres que me vêem como uma pessoa diferente, que luta pelos seus ideais, mas se querem mesmo saber, Que delícia ser uma mulherzinha que se vinga na conta bancária.
Comprei uma calça 42, e se vcs soubessem que linda é a calça 42. É mais bonita que qualquer calça 44 que exista no mundo.
Comprei uma blusa que mostra os ombros. Porque eu tenho lindos e largos ombros. E tipo, essa é a vantagem de não ser magrela...um colo invejável. #prontofalei.
Mais umas blusinhas básicas e uma sandália bege e tudo ficou mais bonito, tolerável e mais fácil de compreender.
Eu sofro, mas é de salto alto e roupa nova.
O melhor foi à cara do marido quando cheguei em casa: "Que isso, comprou o Centro inteiro?"
Não querido, as faturas chegam daqui a trinta dias e ai vc descobre aonde foi que eu comprei.
Eu me fodo,mas me divirto!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Eu queria apenas não conhecer esse brilho, esse gosto e essas cores sempre tão perfeitas e organizadas.
Queria apenas que essas cores todas não estivessem tão mudadas.
Eu só gostaria que todas essas cores não fizessem meus olhos mudar de cor.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

8 Bobagens...

Longe de mim achar que a masturbação muda o mundo. Mas a masturbação muda as pessoas e pessoas mudam o mundo.
Se vc estiver mais aliviado das tensões sexuais, terá menos vontade de mandar as pessoas a merda e as pessoas que vc não mandar a merda ficaram mais felizes, e se elas ficarem mais felizes e se forem suas chefes poderão te dar um aumento.
E um aumento muda a vida de um ser humano.

Há algum tempo eu leio, discuto e ouço sobre mitomania, e sinceramente me impressiono com a capacidade de viver feliz uma vida que na verdade não existe.
Há algum tempo eu cuido da minha vida, achei que ela era de verdade mas descobri que talvez esteja eu, brincando de mentir pra mim.
Há algum tempo eu tô com fome, e meu estomago ta começando a doer por causa disso.

Não importa o quanto vc seja legal, alguém sempre vai querer comer o seu rabo, e se vc não for gay, ou algum tipo de louca sexual de ideias tórridas, não vai gostar nada disso.

domingo, 4 de outubro de 2009

4 O mundo é bão, Sebastião?

Quando eu tinha doze anos descobri: Eu não sou desse lugar!

Decidi me dedicar a vida cristã, queria ser freira. (Sim, eu sei que seria um desperdício de energia sexual e de peitos pra fora, mas a ideia era me proteger de tudo de ruim que eu sabia que aconteceria). Lembro bem que o que eu pensava era: Eu não posso sobreviver no meio de tanta gente ruim.
Não que me julgue melhor do que você, nobre leitor! Mas eu não compreendia (compreendo) como as pessoas podem ser tão ruins, falsas e inoportunas. Sou uma Poliana Retardada que acredita que pessoas podem ser transformadas, e que toda essa dor e angustia que estou sentindo não passa de fruto de uma imaginação que não descansa. Mas bem na verdade, hoje eu tô na merda! #prontofalei!
Quando eu tinha doze anos, decidi que seria freira, mas algo mudou minha vontade (Não, não foi masturbação!) Eu descobri que sim, poderiam existir pessoas bonitas, boas e com a mesma vontade de mudar o mundo que eu tinha. Decidi que dedicar meus sentimentos aos meus amigos, e aos seres bons que me rodeiam pudesse ser melhor do que viver sem sexo liberdade. E foi nisso que eu me transformei: Numa Poliana retardada que fica esperando o melhor e só se ferra.
Andando tão na linha que o trem ta quase atropelando, dedicando o que tenho de melhor e mais bonito aos escolhidos, abdicando de desejos, de sonhos e de projetos para ser exatamente o que os outros esperam que eu seja (E não, não uma freira, uma santa, uma diva...apenas uma mulherzinha sem cérebro) Tendo que fazer coisas chatas, aturar gente chata, e viver de modo morno esperando que tudo vá passar.
Mas mesmo sendo uma Poliana Retardada, no fundo eu sei. Não vai!
Ai eu choro, esbravejo e ainda tenho que ouvir que sou uma pessoa ruim. Não, eu não sou alguém ruim. Não sou perfeita, talvez não seja boa o suficiente, mas eu não sou uma pessoa ruim.
Talvez eu me transforme... Naquelas coisas todas que todo mundo é: egoísta, malvada e impetuosa. Talvez eu me esqueça que o Amor supera tudo, Talvez eu seja exatamente como querem que eu seja. Uma retardada, gorda, mal amada e mal humorada.
Talvez eu durma e esqueça tudo isso.
Talvez eu nunca esqueça.
E o que eu mais gosto da dor, é que me deixa com vontade de mudar o mundo. Como eu queria fazer, desde os doze anos.

sábado, 3 de outubro de 2009

1 ...

As pessoas não acreditam que alguém pode mudar para melhor.
E é ai que elas se FODEM!

Filosofia de boteco.

6 Enquanto isso...

Enquanto Minhas duas bundas doem (Eu nunca soube se é uma bunda só dividida no meio, ou se são duas, mas o fato é que pinicilina numa e bezetacil na outra é covardia); meu filho mais velho geme enquanto dorme por conta de médicos que acham o quadro normal para um asmático com suspeita de gripe A, medicado incorretamente e não fazendo o uso de Tamiflu, meu marido comete o primeiro crime ambiental da nossas vidas, eu tô aqui, me divertindo com as delícias da internet.
Como a falta de tempo é injusta quando o cerébro da gente não desliga.
Preciso começar a gravar o que penso quando tô no banho, ou enquanto caminho. As melhores ideias vem, quando o computador não tem.
Vou tomar um banho com água bem quente para ver se minha dor bundal melhora.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

9 Livros que viram filmes.

Eu sou doidinha por meus livros, e lamento não ter todos os que eu gostaria de ter comprado, mas fico feliz de ter lido os que realmente me despertaram interesse.
Dia desses comprei (genérico é claro, pq filme original é coisa de empresário rico e eu só sou a rainha da sucata Eô, Eô) "O menino do pijama listrado" Mas estava com medo de assisti-lo e ficar tão decepcionada como fiquei com "O Caçador de Pipas". Concordo em muitos pontos com o post da minha querida Silxata (porque chata, falando nisso???)onde ela critica o modo como estão sendo feito os filmes baseados em Best Sellers, e por esse motivo, além, é obvio da minha exaustão dos ultimos dias,eu demorei mais de trinta dias para assistir "O menino do Pijama Listrado".
Mas enfim, assisti. E fui surpreendida. O filme é bem fiel ao livro e mostra o que minha mente pobre não é capaz de imaginar. É que quando leio os cenários são paupérrimos, desprovidos de iluminação e no caso do alemão do livro em questão, nem olho azul eu coloquei...
Assisti O menino do Pijama Listrado e recomendo, inclusive para quem não leu o livro, porque os atores mirins me passam uma emoção e ingenuidade transparente, como imaginei enquanto o lia.
E para quem quer saber o final? Todo mundo morre!

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

8 Pra mim aprender... ou pra eu aprender?

Eu que vivo dizendo, que ninguém pode estar tão ocupado a ponto de não ter tempo de responder uma sms, não dar um mimo para os amigos, não atualizar blogs e tal. Pois bem, peço desculpa a todos os que sofreram com a minha INGNORANCIA. É que nos últimos dias eu descobri, que se pode estar tão ocupada a ponto de pensar em alguém e não poder dizer isso. Além é claro dos problemas que geralmente não tinha e que agora aparecem de caminhão.
Ganhar 10 mil por mês não é fácil. (tanto que ainda não consegui...)
Anotem ai: quero comprar uma empregada, ter saúde pros meus filhos e sair de uma vez dessa vida de proletariado. Virar dondoca, ser sustentada pelo marido e tals. Só isso que eu queria!

E é claro, quero também muitos comentários no blog!
Sei que os posts tão deixando a desejar, tb não to sendo uma boa seguidora, mas quando eu ficar mega ultra rica todo mundo ai vai querer dizer "Ah, Ela é minha amiga!!!"

sábado, 26 de setembro de 2009

5 Enfim, você chegou

Eu estava ansiosa, contando os dias, os minutos e os segundos. E foi hoje, quando eu menos esperava, quando minhas esperanças estavam esvaindo-se me surpreendem com essa sua disponibilidade, velocidade e todas as coisas boas ades que existem.
Ai, Internet em casa. Agora msm que eu viro uma porra de do lar.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

6 Dinheiro...bendito dinheiro

Meu filho com sua incrível sabedoria diz: "Pois é mãe, agora que a gente é rico tu pode comprar tudo o que a gente quiser neh?"

Eu, estraga prazeres: Mas a gente não é rico filho.

Não???? (cara de choro!)

O menino acreditou na história de "empresa de venda de peças usadas de veículos". Rafael, é só um FERRO VELHO. Cair na real é duro!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

9 Ainda dá pro gasto!

Ontem, teve desfile da Moda Primavera Verão no shopping onde eu trabalho. Saindo do banheiro, duas lindas menininhas estavam sendo penteadas pela mãe. Eu com um sorriso de tia da crechê perguntei: "Vocês vão desfilar?" E uma delas, com um jeito limpo, honesto e pueril me respondeu: "Não, e você vai?". Super me senti a modelo.hehehe
Ela podia ter apenas 3 anos de idade e não saber que modelos tem de ser lindas, magras e altas, mas que o ego subiu, subiu!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

8 Querido Diário,

Seria mais fácil fazer como todo mundo faz
o caminho mais curto, produto que rende mais


Tô me sentindo a Miss Moçoró, depois de uma gripe A. Cansada, estressada, deprimida e isolada. Fico uns dias sem aparecer e o que parece é que ninguém nem percebeu.
Mas ai eu volto e leio coisas que me aquecem, me divertem e me fazem pensar: é bem melhor se for como é.
Não quero mais pensar, mas o cérebro não desliga. Noites insones, dias que nunca acabam.
Ontem ganhei uma cama para o bebê sair do berço e nela estava escrito com riscos de canivete: Hittler. Pensei,"se eu postar isso ninguém vai acreditar". E meu marido riu. Ele pensa que as pessoas nunca acreditam no que eu escrevo, porque de tão bizonho beira o inacreditável. Mas a minha vida é: Além de estranha, é de não acreditar que eu possa ser quem eu sou, tendo a vida que tenho.
Achei um endereço de msn na parede do quarto dos meus filhos. Casa alugada é um lugar com muito a ser descoberto. Me divirto. Vou adicionar pq é nome de gatinho /morre.
Tem um buraco para subir no forro da casa (como é mesmo o nome daquilo? Alcapão?) aposto que lá estão guardadas fotos de gente pelada, revistas com apologia ao neonazismo e um cofre com cruzeiros guardados. (Essa parte é mentira, não vão acreditar.)

Sem inspiração, sem tempo, sem dinheiro e com sono.

Um abraço bem forte para ver se me dá energia! UHUL!

terça-feira, 8 de setembro de 2009

10 Um milhão quatrocentas e doze mil coisas novas!

Se comportaram durante a minha ausência crianças? Então...antes eu era a Deise do salão, mas agora me tornei oficialmente a rainha da sucata. EOOOOO EOOOOO!
Eu sabia, desde os primordios que nasci para ser empresária e imaginem qual foi a minha satisfação quando ontem um cliente perguntou: Tu que é a dona? E eu respondi saltitante, alegre e pirulitando "Sim, sou eu" é, eu sou a dona de alguma coisa, e não é dos moleques piolhentos lá de casa. Tipo, supermesentiadonadabudega!
Mudei de casa, e descobri que tenho muito, muito caco. Encontrei em caixas bonitas cartões e bilhetes que me levaram para momentos felizes. Encontrei algumas rosas que secaram no meio de cadernos, encontrei livros rabiscados e encontrei poeira, muita poeira. No meio da mudança eu encontrei lembrança e saudade. E gosto de coisas que o tempo não trás de volta...mas a lembrança não manda pra longe.
Na casa nova eu encontrei cheiro de mofo e dor nas costas.
Antes meus filhos dormiam num aconchegante quarto, praticamente empoleirados pela falta de espaço e agora eles dormem (cada um na sua cama) num amplo e espaçoso quarto com uma suástica desenhada na parede. Não vou dizer que imaginar neonazistas morando ali não me deu medo(haha). Superimaginei os fantasmas judeus perseguindo aquele lar. Esfreguei com alcool, cloro, vinagre,alho e PIPOCA não saiu.
Ninguém entende porque eu sai da minha casa pra morar em uma outra, alugada e é engraçado porque parece que eu sou muito idiota quando eu tento explicar. Será que eu sou muito idiota? Ou será que idiota é tentar explicar alguma coisa para quem não entende coisa alguma?
E eu tenho dormido pouco e trabalhado demais. Ainda não consegui fazer sexo na casa nova porque as janelas não tem cortina e eu tenho quase certeza que algum tarado vai encostar a cara na janela para espiar. Também serve como desculpa porque o cansaço é tão grande que eu pago alguém para fazer sexo no meu lugar.
Precisei comer X-salada na sexta e no sábado porque não tinha louças fora das caixas e hoje tive que comer miojo porque meu fogão ainda não foi devidamente instalado. A Casa está com muito cheiro de gás, e essa é uma das últimas palavras que algumas pessoas pronunciam "Cheiro de gás".
De todo modo, prefiro cheiro de gás do que o de mofo que estava na quinta-feira, ou o de cloro que estava na sexta.
Os quartos tem cheiro de cera, de lustra móveis e de buriti.

E se eu tivesse medo de zolho de bola não contaria essas coisas, mas como tenho corpo fechado por conta de rituais macabros nos quais me envolvo com frequência, to nem ai! =)
Felizdavida! Do jeito que eu mereço e posso ser!

Eoooo Eooo!

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

9 Mudanças

Imaginem uma pessoa feliz. Então, esse ser naturalmente feliz e empolgado que eu sou está ainda mais desesperado de boas emoções do que normalmente. Excelentes notícias para mim e para os que me querem bem.
Não, não fui escolhida para ser BBB10, e nem fui chamada pelo Jô, nem achei um jeito de ganhar dinheiro dormindo, mas a possibilidade de ter encontrado um meio de ganhar dinheiro já me deixa suficientemente empolgada. Pode até ser trabalhando! Por que ganhar dinheiro dando, não é uma boa não, Senhor Felipe Casagrande.hehe
Então nas mudanças dos próximos dias estão a de casa, de ramo e finalmente, a aquisição de um dog. Desde que a Mel me deixou, antes mesmo de eu dizer a ela que iria sustentá-la, desisti (de novo) de ter um cão, mas agora eu precisarei de um. daqueles com cara feia que assusta ladrão, mas coração bom que não morde bochechas de crianças. Estou a caça de um cão para adotar, por mais que a ideia me apavore.

E vocês não estão entendendo nada mas tb nem precisa... só saibam que eu sou uma pessoa bem feliz. Por mais que esteja confusa, amedrontrada e com TPM. Ah, vou ganhar internet em casa! Ai...é muita satisfação!

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

7 Heroína? Só de for na veia.

Precisamos criar heróis que mudam o mundo através de magia e poderes sobrenaturais porque não somos capazes de criar bons seres humanos.
Inventamos e tentamos ser super heróis todos os dias, fazendo ou ao menos tentando fazer tudo o que nos mandam, tudo o que gostaríamos e tudo o que vimos como necessário. E se não bastasse ter milhões de coisas para fazer é preciso ser o melhor em todas elas.
Eu não preciso de super herói! Eu preciso de pessoas que chorem quando ouçam uma canção, ou sorriam enquanto lêem um livro. Preciso de gente que veja um filme com emoção, e que aprecie as cores do arco íris. Eu preciso de alguém que seja um bom humano, e que tenha uma fidelidade canina.
O mundo precisa de pessoas que olhem nos olhos e dêem firmes apertos de mão.
É preciso educar nossos filhos para reconhecerem e valorizarem um bom amigo, é preciso ensinar nossos filhos que os super heróis de quadrinhos não sabem o que é perder a namorada, ficar desempregado ou pegar catapora. Nossos filhos precisam saber que o que realmente importa não é a cor dos olhos, mas sim o que se pode ver dentro deles.
Não preciso de um super herói, que seja perfeito, decidido, forte. Eu preciso de seres humanos que sejam éticos, tenham senso de humor e saibam fazer origamis.
Não quero que ninguém se sinta obrigado a me fazer feliz, mas quero que as pessoas se empenhem um pouco nisso: em fazer alguém feliz.
Não, eu não preciso de um super herói. Eu tenho meus amigos.

Alguns não tão amigos me incentivam a mostrar a bunda no BBB e meu senso de humor no Jô Soares. Pensa que não sei querem me ver passar vergonha!
Alguns seguram minha mão enquanto os outros comem pizza. Alguns ficam presos em banheiros de portas esquisitas, ou então em banheiros de ex-zona. Alguns me contam seus segredos enquanto comemos pastel de chocolate. Alguns de meus queridos amigos moram longe, me matando de saudades. Meus amados amigos me contam novidades inusitadas por telefone e às vezes esquecem de me telefonar. Meus amigos são lembrados com um cheiro, um sabor, uma flor, uma fruta, uma cor. Acessórios, canções, poemas e promessas me lembram de meus amigos. Os verdadeiros e os melhores.
E se o mundo tivesse mais pessoas como eles, com toda a certeza, não precisariam criar super heróis. Bastariam pessoas.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

7 Papo de pedreiros

Antes de vocês dizerem que eu tenho tara por pedreiros ou qualquer coisa do tipo, gostaria de lembra-los que eu sou do povo, vou na chepa da feira e moro em casa baixa. Ou seja, meus vizinhos fazem reformas...e eu, bom...eu NÃO observo os pedreiros, a não ser em condições atípicas.
Hoje de manhã, eu estava chorando Puta dos corno com essa vida amargurada de ter que sustentar dois filhos melequentos, um marido ingrato e ainda lavar, passar e cozinhar, estendendo roupa no varal da rua, (Geralmente utilizo o da garagem, mas o dia estava lindo demais para eu desperdiçar.)quando os pedreiros fazendo a calçada do vizinho conversavam.
Servente: Tu pode me alcançar a Colher?
Pedreiro: Pega ai.
Servente: Desculpa, te chamar de tu. Não se chama um senhor de idade que nem o senhor de tu (e riu, debochado).
Pedreiro: Mas tu não é falta de respeito, dentro da língua portuguesa existe o pronome Tu.
Eu paro, penso, respiro e me pergunto: Tem muita gente precisando aprender com os pedreiros. E não é predileção só porque eles assoviam para mim não gente! Eles sabem que Tu é um pronome! Baba!

E acabo de ter uma ideia pro Vídeo, eu subindo no andaime enquanto acidentes fenomenais acontecem na obra. Precisa evoluir um pouco, mas tenho certeza que o pessoal do PutzCri trata de encher esse cenário de bizonhices dignas de me tornar BBB. Adorooooo!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

12 Em busca de fama, sucesso e um par de peitos novos

Desde que eu nasci tento arrumar um jeito de ficar rica. Por motivos diversos: quando era criança, queria comprar mais Doritos do que meus pais podiam me dar. Na adolescência, queria todos os Cds do mundo na estante da sala. Quando me casei queria comprar um apartamento na área central da cidade, e não uma casinha na periferia e agora eu quero é comprar um par de peitos e uma barriga nova.
Mas além de grana eu quero glamour. Quero lantejoula, purpurina e perfume importado, e é obvio que nada disso vai ter graça sem as colunas sociais, sem uma foto no Amarelo e uma entrevista no Jô.
E é por isso que eu não quero ficar rica por meios convencionais. Nada de ficar rica economizando, ou ganhando na mega sena. Quero ficar rica com um empreendimento que deixe qualquer um de queixo caído quando eu contar a minha história, e ser aquele tipo de ex pobre humilde (bem diferente dos citados no último post) e quero que as pessoas pensem “Nossa, ela conseguiu”.
Com nove anos de idade, perguntei a uma tia se ela precisava de alguém para ajudar ela a cuidar do seu negócio. Me ofereci na época para limpar os vidros e atender o telefone em troca de um curso de computação. Como eu era uma criança irresistível, fui contratada e naquele ano fui entrevistada por um canal de televisão como a garota mais inteligente da escola de informática. Supermeachei toda boa né! Já era uma quase celebridade na infância.
Com doze anos comecei a trabalhar no salão de beleza onde hoje eu trabalho. Naquela época, recebia R$ 30,00 mais o almoço e com esse dinheiro comecei a comprar brincos para revender na escola. Sem muito sucesso nas vendas, perdia o pequeno lucro comprando chocolate no Big Supermercados.
Com quinze anos eu já era uma mãe de família e minhas idéias empreendedoras foram podadas com as obrigações de uma pobre vida realista.
Mas de uns tempos pra cá, meus pensamentos Pequenas empresas, grandes negócios estão me tirando o sono.
Só na última semana cogitei a hipótese de vender meu serviço em cidades vizinhas (não, não são serviços sexuais povo tarado), abrir um super bar para happy hour no centro da cidade, alugar a vila olímpica e transformar num mega point de Crici city e é claro, mandar meu vídeo para o BBB10.
Como me falta grana para todas as opções exceto para a última estou tentando ter uma idéia brilhante para o vídeo, e é ai que vocês entram (novamente palavra empregada com duplo sentido!! Que droga!) com suas mentes originais, criativas e tocantes me dizendo como convencer o Pedro Bial a me deixar ser a garota feia, mas legal da casa.
Pensem em um vídeo super mega impressionante, mas que não seja um cão chupando manga e eu lembrarei de vocês quando ser a milionária da cidade e conseguir uma foto com a Zuleide Hermmann. (/morre).

domingo, 16 de agosto de 2009

4 tamuainatividade!

Olá povo amado!
Choraram muito de saudades? Se comportaram direitinho na minha ausência? Já passaram álcool em gel na mão hj?
Eu estava vivendo uma vida de do lar nos últimos dias e acabo de chegar a conclusão que não nasci pra essa vida.
Sempre peço ao meu marido que me pague um bom salário para que eu fique em casa lavando, passando, cozinhando e dando (atenção para as crianças). Mas eu não sobreviveria a essa maneira dona de casa de ser por muitos dias. Ow servicinho pra não acabar nunca.
Eu estava virando uma monga cabeluda e o meu cabelo já estava ficando duro e desarrumado quando me lembrei que eu só estava brincando de casinha, e decidi tomar banho decente, fazer as sobrancelhas e virar uma mulher gata de novo, mas vou dizer, ser do lar me acomete de uma tristeza arrebatadora e eu fico beirando o desespero de não fazer escova porque meu compromisso social passa a ser bater papo com a vizinha pela janela. Ui, ui, ui! Sai de mim vidinha mais ou menos!
Se meu marido quiser me pagar um bom salário, que seja para ser personal stilist dele, que seja para massagear os seus pés ou coçar suas costas, mas que não seja para ser "do lar". Não rola mesmo!
Mas agora estou de volta a vida de gente normal que trabalha,fica cansada, mal humorada, compra bolo na padaria pq não tem tempo de fazer um com gosto de casa de mãe. E estou feliz da vida com tudo isso! Pega essa maluca ne?
A melhor parte, filhos com a saúde em dia =)

Beijos bem grandes!

domingo, 9 de agosto de 2009

7 No dos outros é refresco...

Enquanto eu fazia mais uma piadinha sem graça sobre a gripe A recebo notícias suspeitas.
Para quem não leva as advertências da Vigilância Epidemiologica, Secretaria de saúde e todos os puta merdas barulhentos que andam por ai anunciando o H1N1 um alerta. A coisa tá feia, é de verdade e máscaras, luvas e álcool em gel não fazem mal a ninguém.
Evitem lugares lotados, evitem esses beijinhos de maricas e se cuidem.
Eu estarei me cuiidando, de quarentena com o Pequeno Príncipe.

5 ...

Porque não ponto final? Porque reticências, exclamações e interrogações me interessam mais.
É um modo de não encerrar aquilo que um dia me fez feliz.
Manter os laços, as lembranças, os presentes e bilhetes. Ouvir as antigas músicas, sentir o cheiro e relembrar frases e fases. Reticências me interessam mais do que um ponto final.
Não colocar ponto final, não significa deixar a porta aberta para que tudo volte a acontecer. É apenas deixar as lembranças irem e voltarem quando bem entenderem, é ter a sensação de que não se finda o que um dia começou. Não pontuar com um “acabou” as histórias que vivi, é poder reviver sozinha tudo o que um dia eu vivi com alguém.
Não colocar ponto final é ter espaço pra perdão, pra conversa e pra renegociação.
Afinal, para que servem as reticências, senão para deixar as coisas prosseguirem da onde se parou. Ou não. Reticências me interessam porque não explicam, não encerram e não definem. As reticências me deixam entender tudo, do jeito que eu quiser.
Exclamações me interessam mais que ponto final. Exclamações me interessam como me interessa saber como está a vida, como estão os planos, como está o sorriso torto e tão delicioso, e quantas vezes ele vem naquela boca quando lembra de mim. Exclamações marcam as frases onde exclamo de saudade, de vontade, ou de lamentação. As exclamações fazem um ponto final parecer pura bobagem.
E eu paro e penso: Porque não ponto final? Porque o ponto final não agrada, não entende e não perdoa. O ponto final não me da as respostas que preciso. O ponto final não me consola, não me deixa imaginar. E quanto eu interrogo, porque não ponto final, a resposta vem baixinho, quase inaudível: Porque reticências, exclamações e interrogações me interessam mais.
E onde as pessoas vêem um ponto final, eu vejo apenas reticências.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

12 Blog Novo UAU!!!

Um espaço branquinho pra eu avacalhar, ops quer dizer interagir com meus blogueiros favoritos. Uma belezura.
Em primeiro lugar, que fique bem claro que eu sou uma pretenciosa, narcisista e patricinha que acredita que o Jô PRECISA me entrevistar. O pessoal do PutzCri, acha que eu devo negociar minha ida apenas para o ano que vem, enviando uma carta muito bem humorada, explicando que já estou ocupadíssima até o fim do ano em exercício. Mas como eu sou facinha, to ai, esperando o Jô ligar.
E vocês sabem porque o Jô tem que me entrevistar? A Kellen Rodrigues sabe. Na verdade, a Kellen sabe de tudo! Ow garota esperta! Quando eu ser ex-BBB (tipo, bem subcelebridade) ela vai ser minha acessora de imprensa, inclusive. Mas voltando ao Jô Soares, ele deve me entrevistar porque eu fiz uma lista das 8 coisas para se fazer antes de morrer e um dos itens é descobrir o que tem dentro daquela caneca. E outro item é colocar uma foto com a caneca no meu orkut, e o outro é ter a caneca na estante da sala.
Não, eu não sou um gênio, uma figura caricata, uma mulher surpreendente, uma pessoa cult, inteligentíssima, brilhante. Não, a minha bunda não é muito, muito dura e eu ainda não comprei meu par de peitos novos. Não, eu não fiz programas sexuais para ganhar a vida dignamente e nem grito na rua “Descascador de legumes” e também não tenho um carro de som que canta: “Olha o peixe” mas tenho certeza que o Jô ia adorar conversar comigo, por pelo menos um bloco.
Então, o estilo do blog continua o mesmo (meu blog tem um estilo?) só que de novo nome para que eu possa comover aquele gordo brilhante e sua produção super competente (Sabem como é neh? Puxação de saco sempre cai bem!) e um dia, finalmente, tomar na caneca e parar de tomar no... bom deixa pra lá.
Se o Jô não me chamar, pelo menos o nome do blog é mais mocinho, menos criança retardada e emo, porque vocês sabem, as pessoas tem que evoluir.
Related Posts with Thumbnails